Meu cunhado safado me espiou escondido

Meu cunhado safado me espiou sentando na pica

contos flagras

Na época fazia uns poucos meses que eu estava namorando com o Fredson. Ele era meu namorado certinho do tipo que com certeza a família aprovaria pra um casamento ou algo parecido. Nunca tive coragem de contar pra ele das minhas experiências ou meus desejos sexuais, eu tinha medo dele achar estranho ou muito pesado. 

O máximo que permiti que ele soubesse de mim foi sobre minha sexualidade. Ele sempre soube que eu sou bi e por causa disso sempre brincava dizendo que traria uma mulher para brincar com a gente. 

Era engraçado ele falar daquele jeito, as vezes eu ficava imaginando o que ele faria comigo se soubesse as merdas que já tinha feito antes dele...de vez em quando até pensava em contar, mas logo eu desistia de fazer isso pra não perder meu homenzinho. 

Eu sabia que tudo aquilo era brincadeira e que ele jamais superaria sua timidez a ponto de trepar a 3, mas as vezes eu fantasiava também e morria de gozar tocando uma siririca de madrugada

Nessa época eu vivia sempre com muito tesão, e na maioria das vezes precisava me aliviar sozinha; principalmente quando estava na casa dos meus sogros. Meu namorado ainda morava com os pais e o irmão mais velho, então o sexo quando eu ia pra lá era sempre muito escondidinho.

Me recordo da primeira vez que tomamos banho juntos na casa dele e fomos surpreendidos pelo seu irmão chegando bem na hora que minha pepeca estava engolindo seu pau. Na mesma hora senti ele murchar dentro de mim e vi meu namorado sair correndo do banheiro como se tivesse acabado de cometer um crime. 

Nesse dia tive que terminar de me aliviar com os dedos antes de sair do banheiro. O resto da semana foi puro constrangimento do meu namorado que mal tocava em mim com vergonha do irmão. 

Junior era o exato oposto do meu namorado. Um mulherengo safado que não ligava pra nada além do pau. Tínhamos um relacionamento saudável, mas eu morria de nojo das coisas que aquele homem sem escrúpulos aprontava. 

Mas tinha um momento em que todos esses sentimentos ruins que eu tinha pelo meu cunhado acabava. Na madrugada, quando todos estavam dormindo, era ele quem eu imaginava em cima de mim enfiando a pica bem no fundo da minha pepeca.

Certa vez caí na tentação de trepar com meu amorzinho e fantasiar que era o cunhado pervertido me comendo. Nesse dia eu melei toda a pica do meu amor com meu melzinho, ele ficava passando o dedo e me lambuzando com o meladinho sem nem imaginar o que tinha causado aquilo. 

Fantasiar com meu cunhado já era algo ruim, mas tudo piorava mais ainda pelo fato deles dormirem no mesmo quarto. Quando queríamos ficar a sós a gente trancava a porta e meu namorado mandava uma mensagem pro irmão pedindo pra não incomodar. 

Isso até funcionou por um tempo, principalmente porque meu cunhado quase nunca parava quieto em casa. Com um tempo a gente foi ficando muito relaxado com essas coisas e logo paramos de avisar e só trancávamos a porta. Em pouquíssimas vezes meu cunhado chegou antes da foda acabar, mas aí já tava acostumado e não tinha mais espanto do meu namorado. 

Fredson relaxou na vigília e eu mais ainda quando flagrei meu cunhado fazendo uma coisa assombrosa com a gente. Estávamos chegando de uma festa e estávamos um pouquinho alterados com cachaça. 

Eu não podia voltar pra casa por causa do horário então fui pra casa do meu namorado. Sabíamos que estávamos a sós nesse dia porque meus sogros tinham ido viajar, meu cunhado estava na área, porém tava no trabalho e chegaria ou deveria chegar apenas no dia seguinte.

Meu namorado bêbado comeu minha pepeca enquanto meu cunhado assistia

Meu namorado era um amante incrível quando estava bêbado, ele me tratava como a putinha que eu era, e eu me esbaldava. Não me lembro ao certo as etapas que tivemos até chegar no quarto, mas quando entramos eu já estava completamente nua. 

De pernas abertas deixando meu amor chupar minha pepeca eu até esqueci que estava na casa do outros.  A única coisa que eu queria naquele momento era gozar e tirar aquele orgasmo que tava em mim desde a última foda gostosa entre a gente. 

Toda arreganhada na cama dele eu via a porta aberta e até pensava em levantar pra fechar, mas tava tão gostosinho que eu desistia. Quando decidi ignorar a porta aberta fechei meus olhos e continuei aproveitando aquele carinho na bucetinha que tava recebendo. 

Foi pouco tempo depois que flagrei meu cunhado ali parado no cantinho da porta espiando a gente. Eu poderia ter gritado e feito meu namorado brigar com o irmão por causa daquilo, mas apesar do susto era gostoso ter outro homem espiando minha pepeca ser chupada. 

Meu cunhado não percebeu que eu tinha pego ele no flagra, mantive meus olhos levemente abertos pra continuar com aquela cena maravilhosa e me vi quase gozando na boca do meu namorado por causa daquilo. Me mantive firme no meu personagem e apenas troquei de posição com meu namorado.

Com o rabo empinado em direção a porta eu passei a chupar a pica do meu namorado enquanto meu cunhado assistia a gente escondido.  Fredson gemia igual um garoto perdendo a virgindade. Minha pepeca soltava meu melzinho me deixando toda melada, mas não era por causa do meu amor, e sim por causa do meu cunhado pervertido. 

Meu cunhado o tempo inteiro procurava uma posição mais escondida pra espiar a gente fudendo. Disfarçadamente eu dava uma olhadinha só pra ter certeza que ele ainda estava lá. Sempre escutei do meu cunhado sujo que homem tinha obrigação de meter na pepeca no pelo.

Eu morria de ódio ouvir ele falando esse tipo de coisa, mas diante daquela situação eu segui sua palavra. A camisinha ao lado da cama e eu larguei de mão. Empinei bem meu rabo pro lado da porta pro meu cunhado ter a visão da minha pepeca engolindo a pica do seu irmão e fui sentando devagarinho.

Comecei a rebolar igual uma putinha no colo dele, eu sentia seu pau latejar dentro de mim quase explodindo de porra enquanto o safado abria minha bunda pra enfiar o dedo no meu cuzinho.

Cavalgando no seu colinho eu via meus peitos saltarem pra cima e pra baixo enquanto meu corninho tentava agarrar com a boca. A cama dele com certeza não aguentaria o ritmo das sentadas então acabamos indo pro chão. 

Ali no chão eu podia vigiar pelo espelho meu cunhado atrás da gente se punhetando enquanto eu era penetrada. Fiquei ali de 4 como uma cadela sendo maltratada por um vira-lata. Aquele cachorro no cio tava se aproveitando da minha pepeca enquanto jogava a culpa do tesão na bebida. 

Por um tempo eu simplesmente não consegui mais escutar o que meu namorado dizia e só focava no reflexo do meu cunhado tocando punheta. Aquele pau grosso sendo ordenhado enquanto me observava quase me matou de tesão.

Eu tentava tocar no meu grelinho, mas tava tão duro que até machucava de tão sensível. Minha buceta estava escorrendo meu melzinho quase gozando. Eu tentei segurar ao máximo que podia, mas quando vi meu cunhado esporrando seu leitinho na parede eu não aguentei e gozei no pau do meu namorado

Senti minha pepeca na mesma hora apertando o pau dele e forçando ele a liberar sua porra dentro de mim. Então numa última estocada forte dentro da minha buceta meu namoradinho não aguentou a pressão e acabou gozando bem no meu fundinho. 

Ainda com o rabo empinado em direção a porta eu deixei o leitinho escorrer pela minha buceta só pro meu cunhadinho ver. Meu namorado extremamente cansado nem se importou com algo depois da foda e já foi logo se deitar sem ao menos ir verificar as portas. 


Todo largado e nu deitado na cama e eu tive que ir ver o que tava acontecendo na casa antes de me deitar. Limpei o chão do quarto melado com meu melzinho e a parede suja com a porra do meu cunhado. Eu o encontrei na sala assistindo ou fingindo assistir. 

Nesse dia ainda passei um bom tempo na sala vendo meu cunhadinho tentar esconder o pau duro enquanto a gente assistia. Um tempo depois eu finalmente senti aquela jeba quente dentro de mim, mas fomos flagrados pelo seu tio. 

Comentários