Contos eróticos: titio me viciou a engolir leitinho

Meu tio me viciou desde novinha no gosto do leite de pica. 

contos eróticos tio
Relato erótico da minha iniciação

Os contos eróticos foi uma peça chave nessa minha nova tentativa de lidar com o sexo. Escrever essas histórias picantes me deixa um pouco longe de fazer e isso de certa forma me ajuda muito. Tive que aprender na marra que não deveria deixar qualquer um passar a mão em mim, mas isso não é muito minha culpa. 

Quando eu ainda estava em formação fui iniciada a fazer essas coisas sem o menor pudor. Meu tio era bem novinho na época também, mas era esperto o suficiente para saber que eu era uma presa fácil. 

Ele estava em idade de descobrir os prazeres de ter uma pirocona e me usou como boneca sexual para se satisfazer. Meu tio era o caçula da família e levou o nome do pai como homenagem, era o único homem no meio de muitas mulheres. Quase todo mundo o chamava de Juninho pra diferenciar do pai, e eu me acostumei a chamá-lo assim também. 

Por causa de sua pouca idade eu me acostumei a vê-lo como um primo por um bom tempo, mas ele sempre me repreendia quando isso acontecia e eu aprendi apanhando dele que era o meu tio - logo, ele mandava em mim. 

Uma boa parte do nosso tempo passávamos como cão e gato brigando por qualquer motivo bobo, nas raras vezes que estávamos de bem eu aproveitava para tentar cativá-lo deixando que ele fizesse tudo o que queria comigo, sempre fui esse tipo de pessoa (doida por uma atenção especial). 

Uma brincadeira em especial nos iniciou nessa vida erótica, era a pranchinha: eu fingia que estava surfando na praia e ele era a minha prancha. Eu não poderia subir em cima dele pra ficar de pé porque obviamente iria machucar, mas eu ficava deitadinha em cima do peito do tio me equilibrando das ondas. 

Sempre acontecia de nesses momentos seu pau subir bastante, então ele botava pra fora e encaixava entre minha pernas dizendo que era o cinto de segurança pra eu não cair, eu fingia acreditar mais porque gostava da coceirinha que sentia na minha pepeca com isso. E foi assim que fui sentindo aos poucos seu leite na minha pele. 

Com o tempo a gente não fazia mais a pranchinha deitados, ficávamos em pé roçando um no outro até a piroca dele esguichar seu líquido farto em mim. Tudo ficava bem melado depois principalmente a parede, eu tinha que limpar depois porque o tio ia deitar logo em seguida e ficava bem puto quando eu não limpava. 

Eu sabia o que a gente estava fazendo, era as mesmas coisas que eu via os homens das revistas de sexo do meu pai fazer com as mulheres. Meu pai também era um apaixonado por contos eróticos, ele tinha inúmeras revistas velhas que falavam sobre esses relatos picantes e eu lia todos escondida. 

Os contos eróticos que eu roubei fizeram de mim uma putinha

Foi lendo esses contos eróticos escondido que eu descobri que as mulheres gostavam de sentir o leitinho de pica na boca, nas revistas elas contavam que tinha um gosto maravilhoso e eu morria de curiosidade para experimentar. 

Fiquei com isso na cabeça por um tempão até o dia que resolvi experimentar, esperei que o titio fizesse aquela roçadinha gostosa em mim e depois que ele gozou e saiu de perto eu resolvi passar a língua para sentir o gosto. 

Eu tava ali com a cabeça abaixada de cara com a parede passando a língua na porra dele quando escutei sua voz me flagrando. Ele me gritou espantado com o que eu tava fazendo, mas lá no fundo eu sabia que ele tinha gostado e que se aproveitaria daquilo pra avançar mais em mim. 

Na hora que fui flagrada fazendo aquilo fiquei bem nervosa, não sei porque mas eu fiquei com medo de ser dedurada por ele, coisa que obviamente jamais aconteceria. Fui pra cima do titio implorando pra que ele não falasse sobre o que eu tinha feito pra ninguém, ele aceitou e foi me acalmando me levando pra sentar no sofá ao lado dele. 

Ele me perguntou várias vezes quem tinha me ensinado a beber porra e eu fiquei quieta sem querer responder, mas ele foi ficando irritado e eu não aguentei. Assumi que tinha visto uma mulher engolindo porra nos contos eróticos que meu pai escondia debaixo da cama e que fiquei com vontade de experimentar. 

Fui obrigada pelo titio a pegar esses contos escondida e levar até ele, então eu fiz; esperei ficar sozinha em casa e entrei no quarto dos meus pais pra roubar o livrinho de contos eróticos que meu pai escondia. Folheei cada página daquele livro sentada no colinho do meu tio, cada página percorrida eu sentia seu pau ficando mais duro em baixo de mim. 

Eu tinha que ler em voz alta aqueles contos eróticos e de vez em quando sentia as mãos dele na minha cintura me fazendo rebolar no seu colo. Aos pouquinhos meu tio foi se despindo na minha frente, primeiro foi sua bermuda; ele disse que iria tirar porque tava calor e eu concordei. 

Quando me dei conta estava sentada no seu colo nu e estava tirando minha roupa também. Eu continuava lendo a revista e vendo as fotos das mulheres rebolando na pica, era cada buceta linda sendo penetrada que eu olhava pra baixo pra ver se a minha era bonita igual. 

Meu tio olhava pra mim fazendo aquelas coisas e dava risada, ele me enganou dizendo que ficaria linda igual se eu deixasse que seu pau me penetrasse e foi assim que me abri pra ele. 

A pica do tio foi ficando cada vez mais dura, e quanto mais endurecia mais soltava daquela babinha, as vezes ele tocava no meladinho e passava na minha boca; era bem salgadinho mas era gostoso. 

Não sei porque naquele dia as pessoas demoraram tanto pra chegar em casa, estava sozinha pelada em casa com meu tio e não havia ninguém por perto para nos flagrar. 

Ouriçado e doido pra gozar ele foi me induzindo a chupar seu mastro, comecei chupando a cabecinha da pica; suguei a babinha toda como se fosse a coisa mais deliciosa do mundo e até que era. 

Titio já tinha uma voz bem grossa naquela época e gemia bem gostoso no meu ouvido enquanto eu mamava seu pau. Fui aprendendo naquele dia como meu macho gostava se ser chupado e punhetado, mamei suas bolas uma de cada vez, ele ficava doidinho quando eu sugava suas bolas. 

As vezes ele parava e me segurava um tempo sem tocar no seu pau pra não gozar, quando já estava mais calmo a gente recomeçava a brincadeirinha. O livrinho de contos eróticos foi sendo deixado de lado aos poucos, e logo meu tio me colocou deitada no chão toda arreganhada. 

Ele enfiou sua língua na minha buceta e começou a me chupar retribuindo o prazer que eu tinha dado nele um pouco antes. Era a primeira vez que eu tinha uma língua dentro de mim, e eu tinha a sensação que não queria que aquilo parasse nunca mais. 

Meu tio novinho sugava meu grelinho pra dentro da sua boca, eu sentia meu mel escorrendo aos montes da minha buceta. Minha pepeca contraía na sua boca e piscava tanto que eu não conseguia mais controlar, eu sentia vergonha de ver minha bucetinha fazendo aquelas coisas na frente dele. Fui sugada, mordida e tive que aguentar seus dedos dentro de mim pela primeira vez. 

Ele começou enfiando um dedo enquanto linguava meu grelinho e logo foi aumentando a quantidade de dedos enfiados em mim e a velocidade com que me penetrava. Ele me forçou a gozar daquele jeito e riu do meu estado enquanto tentava me recompor. Minha bucetinha nunca tinha estado tão molhada daquele jeito, eu passava meus dedos no meu sexo e deslizava muito fácil. 

Tava tão lubrificada que não senti tanta dor quando meu tio começou a roçar a cabecinha do seu pau procurando minha entrada. Devagarinho eu pedia pra ele fazer aquilo em mim, me segurei no sofá apreensiva enquanto sentia sua jeba forçando dentro de mim. 

Meu tio promiscuo me fez de boneca sexual

puta desde novinha

Quando sua pica já estava toda dentro de mim comecei a revirar os olhos com aquela sensação, eu não sabia explicar na época e até hoje não sei dizer o porque meu corpo agiu daquele jeito. 

A diferença de tamanho entre a gente me fazia parecer uma boneca sendo penetrada por um monstro. Titio me segurava e me carregava pra onde queria sem tirar seu pau de dentro de mim. 

Minha bucetinha gulosa apertava sua pica e sugava pra dentro de mim toda vez que ameaçava sair da pepeca. O ritmo das estocadas iam ficando cada vez mais rápido, o chão aquela altura tava todo melado de suor e melzinho do sexo. 

Depois de um tempo sentindo ele metendo dentro de mim comecei a sentir dor na minha buceta, meu grelinho ficou muito duro e muito sensível, parecia que tinha me machucado. 

Eu mandava ele parar de meter em mim pra dor passar, mas ele não parava e só aumentava o ritmo das estocadas. A dor foi aumentando cada vez mais até que num espasmo rápido e bem forte meu corpo inteiro entrou em choque, minha bucetinha piscou involuntariamente outra vez e bem rápido, uma sensação maravilhosa me pegou de um jeito bem forte, era meu primeiro orgasmo no sexo e eu desfaleci. 

Fiquei em transe deitada no chão com as pernas arreganhadas, meu tio ainda estava dentro de mim vendo tudo aquilo acontecer, ele passou a meter mais rápido depois de me ver gozar. 

Do pescoço pra baixo eu não sentia mais nada e mal conseguia manter meus olhos abertos, só percebi que o titio tinha gozado quando ele veio pra cima do meu rosto botar sua mamadeira na minha boca pra soltar sua porra. 

Com muita dificuldade eu abri e aceitei sua gala na minha garganta, ele gozou e me fez engolir cada gota. Eu amo tanto lembrar desse dia que escrevendo esse conto erótico parei várias vezes pra tocar uma siririca e me aliviar. 

Foi a partir desse dia que fui ficando cada vez mais viciada em sexo e em engolir leitinho de pica. Logo depois disso ele saiu de perto de mim sem me falar nada, eu continuei deitada ouvindo o barulho da água caindo enquanto ele tomava banho. 

Quando minhas forças voltaram eu tive que limpar toda aquela bagunça que tinha feito no chão e ainda tive que voltar pianinho pra guardar o livro de contos eróticos que eu tinha roubado do meu pai. 

Com certeza ele percebeu que alguém tinha mexido ali porque quando voltei a procurar os contos já estavam escondidos em outros lugar que eu nunca consegui achar, mas felizmente eu tinha uma outra opção pra aliviar a promiscuidade da minha pepeca. 

Ainda naquela noite meu tio demorou de voltar pra casa, ele nunca tinha ficado até tão tarde assim com a gente, ele esperou até que todos fossem dormir pra colocar seu pau na minha boca. Ele queria uma chupadinha antes de dormir e eu não poderia dizer não, então me escondi com ele na varanda da casa. 

Tava tudo tão escuro, mas era seguro, eu não conseguia ver nada então tive que ir apalpando até achar sua pica. Duro e pulsando na minha boca mamei e suguei toda sua babinha antes de sentir o jato de porra forte da minha garganta. 

Era sempre assim, sempre gozava na minha boca e eu tinha que aceitar tudo sem deixar escapar nem uma gota pra fora. Por culpa do tio Juninho sou viciada numa esporrada de leite, e por culpa dele sou desse jeito. 

Desde então eu tenho essa relação com o meu tio, na frente dos outros ele finge que temos uma relação normal e é até insuportável comigo quando quer, mas esse homem se transforma quando estamos a sós. 

Titio foi o primeiro e único que se voluntariou em quase todas as minhas atividades, inclusive foi ele quem se prontificou a me ensinar a dirigir, aprendi sentada no pau como trocar de marcha, e felizmente passei de primeira graças as aulas que tive. 

Ele ainda me come e me usa escondido sempre que pode; esse homem montou um apê na minha cabeça e agora não consigo mais recusar seu pau toda vez que ele bota pra fora e pede pra mamar um pouquinho. 

By - Sheillaxv

Comentários