Contos eróticos esfregando

Esfregando na minha pepeca escondido

contos

Sempre tive uma pepeca muito sensível, qualquer coisinha fazia ela piscar e logo eu tava querendo enfiar a mão dentro da minha calcinha pra aliviar. Sempre ouvi as pessoas dizendo que coçar a pepeca era errado então eu tinha que me esconder pra fazer isso, eu não entendi porque tanto controle em cima disso. 

Fazer carinho na pepeca era tão gostoso que eu não entendia o motivo de tanta proibição. A maioria das vezes eu estava em casa e corria pro quarto ou banheiro. Mas de vez em quando, durante viagens ou quando estava na casa de algum parente era difícil ter privacidade a esse ponto. 

Minha tia morava numa casa com piscina e eu sempre gostei de ir pra lá por causa disso, ela era sozinha e os únicos homens que eu via saindo da casa dela era pra fazer algum serviço. Quando eu estava passando uns dias com ela eu ficava reparando nessas coisas e imaginando ela tendo alguma coisa com aqueles homens. 

Certa vez eu estava na casa dela como de costume e fiquei com vontade de me tocar enquanto me banhava na piscina, minha tia estava bem perto de mim nesse dia, mas estava entretida costurando e nem me viu pular da piscina pra me esconder. Corri pra garagem e fiquei lá deitada só com a cabeça pra fora pra vigiar os passos dela e não ser flagrada fazendo aquilo. 

Ali deitada eu esfregava minha pepeca por cima do biquini; não lembro o que me deixou excitada, mas tava tão gostoso que eu quase não conseguia mais parar. Lembro que naquele dia fiquei tão molhadinha que meu dedo escorregava na minha buceta. 

Quando meu gozo estava quase chegando fechei os olhos tentando aproveitar ao máximo cada sensação; até que escutei uma voz atrás de mim perguntando se tava bom. Ele falou baixinho pra minha tia não escutar, mas eu me assustei; tirei rápido meus dedos de dentro da minha buceta e me virei com tanta vergonha que mal conseguia olhar pra cara daquele homem. 

Era o mesmo rapaz que costumava limpar a piscina e ficava batendo papo por horas com minha tia enquanto olhava pra mim. Depois do flagra eu não conseguia falar nada, fiquei lá parada olhando pra ele quando ele perguntou se tava coçando. O medo era tanto que nenhuma palavra conseguia sair da minha boca, eu respondia apenas balançando a cabeça torcendo pra ele não gritar pela minha tia. 

Ainda sussurrando baixinho ele perguntou se eu queria que ele esfregasse pra mim, eu aceitei, não disse uma palavra; mas balancei a cabeça concordando. Ele mandou eu me deitar e vigiar minha tia enquanto ele me ajudava e assim eu fiz. Seus dedos me tocavam por cima do biquini, ele pressionava meu grelinho e esfregava forte que até deixava quentinho o lugar. 

Minha pepeca voltou a piscar e eu relaxei, ele era tão bom naquilo que por uns instantes fechei meus olhos porque estava quase chegando meu gozo. Mas ele parou e eu não entendi o motivo, olhei pra baixo tentando entender a situação e me deparei com ele perguntando se poderia colocar meu biquini de ladinho pra ele conseguir coçar melhor. 

Ele não me esperou responder, antes que eu pudesse abrir minha boca minha pepeca já estava toda exposta pra ele. Agora ele já não usava mais seus dedos pra esfregar em mim, seu rosto estava no meio das minhas pernas e sua língua quente fazia uns movimentos no meu grelinho. 

Eu sentia minha buceta molhada deixando escorrer meu melzinho e ele tentando enfiar cada vez mais sua língua na minha entradinha. Por uns instantes ele fez aquilo até se levantar e botar pra fora sua piroca dura, ele fez seu pau esfregar no meu grelinho também e gozou em cima da minha pepeca logo em seguida. 

Com a xoxota toda suja de porra ele botou meu biquini de volta no lugar e saiu de perto pra continuar seu serviço. Eu me levantei e corri pra piscina ainda bem atordoada com o que tinha acontecido. Minha tia, ainda entretida com a costura nem percebeu que eu estava entrando na piscina dela toda suja com o leite do seu funcionário. 

By - Sheillaxv

Comentários