Acordei sendo chupada

Acordei sendo chupada contos eróticos

contos eróticos

Quando comecei a namorar eu ia sempre nos finais de semana na casa do meu namorado para dormir. Ficávamos em quartos separados pois os pais deles eram da igreja e não nos deixavam dormir juntos. As vezes de madrugada ele aparecia no quarto que eu estava dormindo pra fazer alguma sacanagem, mas no final cada um ia pro seu canto para dormir. 

Em uma dessas vezes a gente foi surpreendido pelo pai dele que acordou bem na hora que estávamos no maior amasso no quarto dele. Meu sogro achou estranhou a luz acesa tão tarde da noite e quando entrou para desligar me flagrou com as pernas abertas deixando o filho dele chupar minha pepeca

Antes de reclamar com meu namorado ele encarou minha bucetinha aberta por um certo tempo, e só quando percebeu que eu estava vendo ele daquele jeito se ajeitou para dar o sermão. Ele brigou com a gente apenas sussurrando para que sua esposa não escutasse, a colher de chá que ele daria pra gente era não contar nada para ela. 

Mas no dia seguinte ele mal conversava, eu morria de medo de que o que tinha acontecido na noite anterior fosse espalhada e chegasse até meus pais, mas felizmente isso não aconteceu. Respirei aliviada quando meu sogro me chamou no canto e me avisou que não contaria nada para ninguém desde que não fizesse aquilo nunca mais pois eu deveria esperar. 

Meu sogro era um homem devoto, parecia ter ficado muito chateado com aquele flagra então eu apenas concordei com ele para não estender aquela situação para algo pior. Por 3 noites eu iria dormir na casa deles e no segundo dia já estava aquele climão entre a gente. Minha sogra, sem saber de nada, agia como se eu fosse a garota mais santa do mundo e eu curtia aquilo. 

Quando a noite caiu e todos foram se preparando para deitar, meu sogro nos vigiou até o último instante. Dava pra notar a cara do meu namorado com um misto de medo e aquilo me assustou também. Ele foi deitar e nem ao menos me deu um beijo de boa noite. Durante a madrugada daquela noite, quando eu já estava bem sonolenta e quase pegando no sono percebi que a porta do quarto onde eu estava dormindo estava sendo aberta devagarinho. 

Mantive meus olhos fechados, não sabia quem estava entrando no quarto, mas imaginava ser meu namorado. Fiquei imóvel tentando fazer com que ele desistisse daquilo e fosse embora, mas ele não foi. A porta foi fechada e o quarto novamente ficou completamente no escuro, eu não enxergava nada, mas conseguia sentir alguém se aproximando de mim. 

Continuei fingindo que dormia na tentativa de fazê-lo ir embora, mas nada adiantava. Minha coberta aos poucos foi sendo tirada de cima de mim, travei meu corpo numa posição e não me mexia por nada. O peso em cima da minha cama dava sinais de que não era meu namorado ali em cima de mim, era um homem pesado, forte e que respirava de um jeito bem ofegante. 

Aos poucos ele ia passando aquelas mãos ásperas em cima de mim, ele alisava minha perna e ia subindo até perto da minha buceta. Eu usava um vestidinho e uma calcinha folgada que logo foi colocada de ladinho pra deixar minha pepeca amostra. O único homem dentro da casa além do meu namorado era meu sogro e eu não conseguia acreditar que era ele. Meu sogrinho começou cheirando minha pepeca, ele chegava bem pertinho dela e sugava tanto meu cheiro que fazia cosquinhas. 

Com um pouco mais de coragem eu já sentia ele tocando seus dedos no meu grelinho e não demorou muito para ele se atrever a tocar sua língua em mim. Mais a vontade dentro do quarto ele já me sugava com bastante desejo. Minha pepeca piscava dentro da sua boca; eu tinha medo mas estava gostando de tudo aquilo. 

Minha pepeca aquela altura estava toda babada, o meu grelinho avermelhado e inchado de tanto que ele me chupava. Dava pra ouvir o safado do meu sogro se matando na punheta enquanto sua boca se aproveitava da minha buceta. Aos poucos ele foi subindo e se aproveitando também dos meus peitos, ele mordia meus biquinhos e enquanto estava com a boca aqui em cima ele aproveitada pra roçar sua pica na entradinha da minha buceta. 

Com a cabeça da pica na entrada da minha buceta e com a boca nos meus peitos ele gozou em mim, despejou um líquido farto bem pertinho da minha entrada e foi embora. Naquela noite não tive coragem para me levantar e me limpar, eu ainda estava assustada com o que meu sogro tinha acabado de fazer em mim e acabei dormindo suja daquele jeito mesmo. 

No dia seguinte ele agiu como se nada tivesse acontecido na hora do café da manhã, era o último dia que eu ficaria lá e inventei uma dor de cabeça para ver se o dia passava mais rápido. Logo depois do café fingi tomar um remédio que me deixava sonolenta e fui deitar, minha sogra saiu com meu namorado para fazer compras e eu fiquei em casa com meu sogro. 

Eu não sabia que ele ficaria em casa por isso fingi estar doente para não ter que sair. Deitei no quarto certa de que estaria sozinha quando percebi alguém subindo as escada e me deitei correndo para dar credibilidade a minha dor de cabeça. Mais uma vez fiquei deitada fingindo dormir quando, ao abrir uma gretinha dos olhos, percebi que era meu sogro que estava entrando ali. 

Gelei na hora, o quarto estava claro e eu conseguia ver claramente o que ele fazia em mim. Eu via ele chegando o nariz bem perto da minha bucetinha e cheirando enquanto apertava bem forte seu pau. Minha cabeça estava morrendo de medo daquela situação, mas minha bucetinha atrevida logo ficou molhada quando sentiu que seria chupada mais uma vez. 

Quando meu sogro começou a percorrer sua língua em mim tive que juntar todas as minhas forças para não gozar e nem fazer barulho. Virei de ladinho para que ele se assustasse e saísse dali, mas só facilitou para que ele se deitasse atrás de mim. Naquela posição sua pica encontrava minha entradinha bem fácil, ele ficava entrando e saindo deixando passar só um pouquinho da cabeça do pau dentro de mim. 

Eu não estava reagindo, fiquei imóvel deixando ele se aproveitar mais uma vez de mim, até que ele se descontrolou e começou com movimentos mais intensos em mim. Ele apertava meus seios com força e gemia forte no meu ouvido. Meu grelinho sentia seus dedos me tocando tão forte que até machucava. 

Cada vez mais eu sentia seu pau entrando em mim, mas quando já estava pra romper meu lacre ele tirava. Atrás de mim ele tremia tanto que parecia que iria ter um treco, até que por uns instantes senti seu pau latejar forte no meu grelinho e logo em seguida um melado na minha pepeca. Seu gozo mais uma vez estava sendo despejado em mim enquanto eu fingia dormir, meu sogro logo depois saiu dali. 

Ele não gostava de me ajeitar depois de gozar, parecia querer que eu visse meu estado depois de acordar e ele continuou fazendo isso por muitos meses. Por bastante tempo acordei sendo chupada por aquele homem, hoje entendo que ele estava apenas cobrando o aluguel da noite.

By - Sheillaxv

Comentários