Gozou na minha boca no meu aniversário

Encheu minha boca de leite de pica no meu aniversário contos eróticos

contos picantes boquete

Éramos parceiros desde sempre, a gente estudava no mesmo lugar e até na mesma sala. Era com ele que eu me escondia no pique esconde e era ele quem me encoxava quando ninguém estava olhando. Eu gostava daquilo, era gostoso sentir seu pau colado na minha bunda tão duro que parecia pedra. 

Eu fingia sempre estar vigiando a rua pra não ficar com vergonha, colava minhas mãos no joelho e ficava com a bunda empinada para trás deixando ele me usar. Nosso esconderijo era sempre no mesmo lugar, era na frente da casa do padrinho dele. Era o lugar mais escondido da rua, ninguém se atrevia a se esconder ou procurar lá por causa do cachorro imenso que ficava preso. 

Mas durante a noite o padrinho do Gui botava o cachorro pra dentro, porém só a gente sabia disso. O lugar era perfeito, era escondidinho e dava uma visão ótima de quem passava pela rua, o único problema era que se alguém aparecesse pela janela nos flagraria ali fazendo aquelas coisas. A gente achava que nunca seríamos pegos, por isso não nos importávamos muito de ter aquela fragilidade no esconderijo. 

Estávamos tão acostumados a fazer essas coisas ali que até esquecia que morava alguém na casa, chegamos ao ponto de tirar a roupa quase toda pra ficar se esfregando no cantinho da parede. E foi em uma dessas vezes que fomos pegos no flagra. Era meu aniversário, eu tinha passado o dia inteiro comemorando na rua e quando voltei pra casa fui correndo até a galera pra jogar uma partida antes do banho, pelo menos foi isso que inventei pra justificar minha saída de casa. 

Mas eu queria mesmo era encontrar o Gui pra gente fazer aquilo antes de eu dormir. Assim que o pique começou fomos correndo pro nosso esconderijo, eu estava atordoada que nem reparei a luz acesa dentro de casa. Nesse dia fiz questão de tirar toda a minha roupa e deixar jogada num cantinho, estava um pouco escurinho e o Gui logo botou seu  pau pra fora e começou a roçar em mim. Nesse dia eu estava bem mais molhadinha que o normal, acho que era felicidade misturado com tesão. 

Ele ainda não tinha me penetrado e apenas roçava na minha entradinha até gozar. Logo que senti sua porra quente em cima do meu grelinho abri os olhos pra pegar minha roupa do chão e dei de cara com o padrinho dele parado na nossa frente. Guilherme estava de costas e só reparou na presença dele quando percebeu meu espanto repentino; foi aí que o safado saiu correndo com o pau balançando. 

Sem ter como correr eu fiquei ali parada caçando peça por peça no chão e morrendo de vergonha. O padrinho do Gui me olhava de cima a baixo usando a lanterna do seu celular para clarear mais a cena. Minha bucetinha estava suja de leitinho e minha cara estava vermelha de vergonha. Quando o padrinho dele foi se aproximando de mim achei que era pra me puxar pelos cabelos por ter feito aquilo na frente da casa dele, mas ele passou a mão pelo meu corpo. 

Ele me virou de costas e enfiou um dos seus dedos no meu cuzinho, eu me tranquei na hora porque não sabia o que estava acontecendo, mas ele foi duro e me disse que se eu não deixasse ele iria espalhar pra todo mundo o que eu tava fazendo escondido. Foi aí que fui obrigada a relaxar e a esperar ele fazer o que quisesse em mim. 

Senti sua mão guiando a minha até seu pau, era um mastro bem duro e pulsante, ele encoxava sua pica na minha bunda igual ao Gui só que com mais tesão e bem mais duro. Acho que ele não planejava botar seu pau pra fora, mas não aguentou segurar seu leite. Naquele mesmo cantinho ele me colocou de joelhos no chão e me fez punhetar sua piroca, meio sem jeito tentei segurar aquela coisa dura e grande. 

Eu sentia ele se aproximando cada vez mais do meu rosto até que senti sua piroca tentando entrar na minha boca. Instintivamente abri minha boca sem relutar muito, abocanhei tentando engolir o máximo que conseguia. Ele metia com brutalidade, sentia suas bolas batendo no meu queixo; aquilo machucava mas eu tinha que aguentar. 

Chupei suas bolas enquanto esperava seu jato de porra, enquanto ordenhava seu pau ele dizia que meu presentinho de aniversário estava quase chegando. Quando finalmente chegou senti aquele jato farto de leite cobrindo todo meu rosto, ele me lambuzou e bateu seu pau ainda duro no meu rosto. Depois do meu presentinho catei minhas roupas do chão e fui pra casa com o cabelo ainda cheio de porra pra tomar banho. 

By - Contos Eróticos I Sheillaxv

Comentários