O velho safado me comeu no morro

O velho gozou dentro de mim no morro contos eróticos

gozando dentro contos

Era a minha primeira vez no meu novo serviço de auxiliar de enfermagem, eu tinha que passar de porta em porta pra conversar com os pacientes que não podiam sair de casa. Não era a coisa mais divertida do mundo, mas era dinheiro então valia o sacrifício. 

A melhor parte do trabalho era quando terminava o atendimento e como agradecimento os pacientes enchia a gente de coisinhas. Um ou outro paciente era mais atrevido e soltava umas cantadas durante o atendimento, isso nunca me incomodou e as vezes chegava a ser engraçado. 

Depois de um tempo de trabalho eu soube que teria que começar a ir sozinha pras visitas porque eu já não precisava mais de acompanhamento integral. A liberdade de fazer as coisas do meu jeito era bem legal, mas eu tinha uma certa dificuldade em falar ''não'' para os pacientes e então minha visita sempre se estendia muito mais do que o necessário. 

Seu Lino era o que mais me prendia em casa, ele morava sozinho e vivia esperando uma oportunidade para papear por um longo tempo. Falar com ele não era ruim, mas me incomodava o fato dele sempre tentar levar as coisas pro lado sexual. Ele vinha com um papo de família e depois namorados até chegar a fazer insinuações pra mim. 

Nesses momentos eu sempre cortava e metia o pé da casa dele, mas depois de um tempo fazendo isso eu comecei a reparar nele. Seu Lino não era tão velho, ele sabia exatamente o que tava fazendo, era o típico cara aposentado que teria coragem de gastar todo o dinheiro num puteiro. Tudo nele ainda funcionava inclusive sua piroca; ele fazia questão de me provar isso durante nossas conversas e por isso passei a reparar nele. 

Aquele homem sempre usava essas bermudas grossas e ainda assim eu conseguia ver seu pau duro marcando por baixo da roupa. Minha curiosidade de ver seu pau balançando na minha frente aumentava cada vez que eu aparecia lá, cheguei ao ponto de ir mais cedo ao trabalho só pra ter um tempo a mais com ele. 

Eu sabia que quando chegasse em sua casa veria sua piroca enrijecida até o momento que eu fosse embora, em casa eu ficava imaginando se aquele velho tarado tinha se matado na punheta depois de eu ir embora. As coisas ficaram nesse chove não molha até o dia em que o safado se atreveu a passar a mão no meu peito. 

Eu poderia ter reclamado ou agredido ele na mesma hora, mas a única reação que tive foi ficar quietinha enquanto sentia seu dedo passando no biquinho das minhas tetas. Ele apertava, puxava e tentava insistentemente colocar meus peitos pra fora, num ato repentino cedi as suas investidas e me vi em pé escorada numa parede deixando um velho chupar meus peitinhos.

Deixei o velho safado chupar minha bucetinha contos eróticos 

Enquanto se aproveitava de mim ele ia me guiando até o sofá, eu sentei e logo o vi ficando de joelhos na minha frente. Seu Lino ia tirando minha calça e minha calcinha, mentalmente eu xingava aquele homem dos piores nomes possíveis, mas aceitava todas as suas investidas. Ele me despia com um certo afobamento; parecia que eu era seu último prato de comida ou que eu iria fugir então se aproveitava. 

Quando eu já estava nua ele abriu minhas pernas e enfiou sua língua na minha pepeca, senti um choque quando ele alcançou meu grelinho. Ele me sugava, me mordia e enfiava seus dedos dentro de mim pra sentir como eu estava molhada. Não demorou muito pra eu ver seu pau balançando na minha frente, aquela tora dura forçava invadir minha boca numa violência que até me assustava. 

A cabecinha do seu pau pulsava na minha língua; o velho gemia quando eu sugava sua piroca e eu gostava de ouvir aquela voz grossa perdendo o controle. Logo fiquei arreganhada em cima do sofá enquanto ele metia dentro da minha buceta, as vezes eu olhava pro lado da porta tentando me certificar de que ninguém apareceria ali de repente. 

O morro era tranquilo, mas os vizinhos eram tão próximos que entravam um na casa do outro de supetão, meu maior medo era alguém entrar ali e me flagrar de pernas abertas pro velho. As bolas dele batiam com força na minha bunda fazendo um barulhão e quanto mais alto o barulho mais forte ele metia dentro de mim. 

Por uns minutos me deixei levar pela situação e gozei sentindo seu pau entrar e sair de dentro de mim, minha buceta engoliu seu pau e abocanhou como se quisesse comê-lo. Seu Lino sentiu minha pepeca apertando seu pau com força e logo percebi que ele estava prestes a gozar também. 

Eu não queria deixar ele gozar dentro de mim, mas quando fui avisar senti algo quentinho bem lá no fundo, o safado esporrou em mim e se jogou em cima do meu corpo exausto. Nesse dia eu voltei pra casa sem completar todas as minhas visitas porque tinha o leite daquele velho dentro de mim. Passei um ano fazendo essa rota no trabalho e durante esse tempo seu Lino sempre esporrava na minha buceta. 

By - Contos Eróticos I Sheillaxv

Comentários