O vizinho cuidava da minha pepeca greluda

 Aprendi a ser mulher na cama do vizinho.

novinha greluda

Ele achava engraçado o tamanho do meu grelinho, ele falava que tinha que ficar passando a cabeça do pau pra não crescer demais e virar uma piroca. Eu acreditava sempre, ou pelo menos fingia que acreditava, aquilo nem de longe parecia certo, mas era gostosinho. Nossas casas eram bem próximas, uma ao lado da outra, a única coisa que nos separava era um muro que batia na minha cintura de tão baixo. 

Ele me esperava voltar pra casa e ficar sozinha então ia pros fundos pra me esperar, por incrível que pareça eu sempre estava lá, mesmo quando não deveria. Eu pulava o muro e o seguia até seu quarto, já estava bem acostumada então nem precisava pedir pra tirar a roupa, assim que entrava já ia me despindo. Ele sempre me olhava de cima abaixo, analisava cada detalhe do meu corpo antes de me jogar na cama de pernas abertas. 

Antes de roçar em mim ele ficava avaliando se meu grelinho tinha crescido mais e toda vez tinha, ele dizia que teríamos que passar mais tempo roçando e fazendo mais algumas coisas. Me acostumei a chamar ele de Seu Antonio, meu pai me obrigava, pra ele era sinal de respeito, quem dera meu pai soubesse o que seu Antonio fazia em mim em troca de todo aquele respeito. 

Ele era casado, mas não tinha filhos, sua esposa ainda trabalhava o dia inteiro, nunca soube porque ele ficava em casa, diziam que era aposentado, mas não sei de que. Uma vez, depois de avaliar o tamanho do meu grelinho, ele cismou que estava muito grande e que eu deveria deixar ele colocar seu leite em cima pra parar de crescer; ele ainda não tinha despejado em mim, sempre fazia fora ou em cima da cama. 

Depois desse dia ele começou a esporrar bem pertinho do meu buraco e ficava espalhando pela minha buceta inteira, aquilo me deixava quentinha e molhada, ficava mais gostoso principalmente quando o pau dele ficava mais tempo duro e roçando em mim. Desde esse dia ele foi ficando cada vez mais ousado e já me apresentava algumas coisas, a primeira vez que senti seu pau dentro de mim foi depois de ter a pepeca toda lubrificada. 

Ele espalhou o máximo que deu com o pau e quando eu estava relaxada de olhos fechados em cima da cama e quase gozando ele meteu de uma só vez, não deu tempo de revidar e nem de tirar ele de cima de mim, senti seu corpo descendo e pesando em cima do meu. 

Tem que meter pra controlar o crescimento do grelinho.

A dor da primeira estocada quase me fez chorar, mas foi passando com um tempo e logo já não sentia mais nada, fui anestesiada por uma sensação incrível da minha buceta apertando seu pau. Sentia minha xota querendo engolir aquele homem a qualquer custo, ele aproveitava aquilo pra escorregar inteiro dentro de mim, dava pra perceber que ele atolava todo seu pau. 

Suas bolas batendo na minha bunda fazia tanto barulho que me envergonhava, não demorou muito pra minha buceta começar a liberar um mel e escorregar pelo meu cu. Fiquei vermelha de tanta vergonha com aquilo e ele percebeu; ficava rindo e falando que eu era uma cadelinha. Por isso ele me colocou de 4, enfiou um consolo no meu cu e meteu sua piroca na minha buceta, enquanto me comia ele me mandava mexer o rabo igual uma cadelinha

Mas aquela coisa que ele tinha enfiado no meu rabo deixava dolorido principalmente quando seu Antonio enfiava seus dedos de vez lá dentro. Parou de ficar gostoso e começou a doer demais, escorriam lágrimas dos meus olhos e ele percebeu, me virou de frente e pediu desculpas dizendo que agora só faria carinho. 

Eu conseguia sentir meu cuzinho todo arrombado, parecia que tinha perdido as pregas e que não voltaria ao tamanho normal, gelei quando passei a mão e consegui enfiar 3 dedos de vez. Quando eu tava prestes a sair correndo dali pelada ele me convenceu a ficar, me tapeou como sempre me prometendo um monte de coisas e que viraria mulher depois de fazer aquilo com ele. 

Aos beijos ele foi descendo pelo meu corpo passando pelas minhas tetas, minha barriga ...até chegar na minha pepeca onde se deliciou me chupando até sentir que eu tinha gozado na sua boca. Então ele se levantou e enfiou novamente seu pau na minha bucetinha, me penetrou até seu leite ser esporrado dentro de mim, quando já tinha saído tudo ele se deitou ao meu lado e me fez ficar ali com ele na cama nua por um tempo. 

Ele só me deixou sair quando ouviu o barulho do portão sendo aberto, aí eu tive que me vestir correndo e pular o muro com porra saindo da minha buceta. Cheguei em casa cheirando a porra e a lubrificante barato, fui direto pro banho toda contente por ter virado uma mulher. 

By - Sheillaxv

Comentários