Virei putinha de taxista por dinheiro

Putinha de taxista nas horas vagas.

chupando pica no carro

Ele parava o carro na frente da minha casa, fizeram aquela área pros taxistas esperarem seus clientes, era improvisado, foi a alternativa que usaram pra não deixar o pessoal na mão. Eu morava no interior então pra lotar um carro como aquele demorava bastante tempo, então ele ficava ali estacionado na filinha. 

Eu sabia de umas coisas que ele fazia que nunca contei pra alguém, hoje tenho certeza que aquilo só acontecia porque ele sabia que eu estava escondida em algum lugar assistindo tudo. Quando tinha muito movimento na rua durante o dia eu ficava aflita esperando começar, mas nesses momentos nada acontecia de interessante, então mais tarde, quando a rua estava quase deserta e bem escurinha eu voltava pro meu posto no portão. 

Ficava ali quase agachada com as mãos no joelho para apoiar, olhava em direção ao carro e com muita dificuldade dava pra ver o que acontecia dentro dele, de propósito ele deixava a janela do carro aberta pra facilitar minha vida. Ele começava roçando a mão no pau por cima da calça e logo em seguida colocava pra fora aquela coisa. 

Eu ficava morrendo de vontade disso acontecer logo, quando via aquela coisa dura apontada pra cima sentia uns choques estranhos na minha buceta, parecia que tinha colocado a pepeca na tomada. Com um tempo passei a enfiar a mão na minha xana enquanto assistia meu programa favorito no portão de casa, por vezes quase fui flagrada fazendo aquilo por meu pai, por sorte inventei que ia na casa da minha amiga então só fui reclamada por ser rueira, mas não por ser a putinha de portão do taxista. 

Ele maltratava sua pica até ela soltar seu leitinho, depois ainda com a piroca dura começava a contar maços de dinheiro, eu continuava ali vendo tudo...normalmente só saía da minha posição quando ele arrastava o carro, não queria perder nenhum detalhe. Certa vez ele fez diferente como o de costume, antes de colocar seu pau pra fora e punhetar até esporrar seu leite ele ficou tentando achar por onde eu o espiava, fuçou tanto que encontrou. 

Fiquei nervosa, achei que seria dedurada ou que brigaria comigo, mas ele não fez nenhuma dessas, percebi que me chamava pra dentro do seu carro. Ele olhava pros 4 cantos da rua e me chamava pra perto dele com o maior cuidado, eu não resisti e fui, naquele dia eu estava sozinha em casa, iria demorar pro pessoal de casa voltar do trabalho então abri o portão e fui em direção a porta do seu carro. 

Ela já estava aberta e eu só puxei bem rápido pra não ser pega por algum vizinho, entrei e sentei na frente no banco do carona, morrendo de vergonha fiquei calada olhando pra cara dele. Ele perguntava meu nome e passava sua mão áspera no meu rosto, falava que eu era linda e que sabia que eu gostava de espiar ele brincando com o pau, nem podia negar, afinal foi assim que fui chamada pra dentro do carro a poucos instantes. 

Tava doida pra sentir aquela mão grossa dentro de mim. 

Sua mão acariciava meus lábios o tempo inteiro até ele não resistir e me pedir um beijo, aceitei, então ele se aproximou bem devagar e enfiou sua língua na minha boca, chupou meus lábios e foi descendo pelo meu pescoço me deixando toda arrepiadinha. Eu tinha acabado de tomar banho e ele sentiu isso, disse que eu estava muito cheirosa e que queria sentir o cheirinho do meu corpo inteiro...eu concordei com um sorrisinho malicioso. 

Seus lábios foram descendo até chegar na altura dos meus peitos, foi quando ele abaixou a gola da minha blusa até deixar meus peitinhos expostos, eu sentia frio e meu biquinho tava bem durinho. Ver minha teta daquele jeito atiçou seu desejo de me chupar e então ele abocanhou com vontade alternando entre minhas tetas. 

Logo ele desceu pela minha barriga me beijando e chupando, quando chegou um pouco abaixo do meu umbigo fiquei com medo e mandei ele parar, tirei sua cabeça dali e ameacei sair do carro. Ele implorou que eu ficasse, mas não tinha jeito, estava com medo de deixar ele colocar sua boca na minha pepeca até que ele tirou o maço daquele dinheiro que eu tinha visto outro dia do bolso. 

Ele tirou uma nota de 100 reais daquele monte e colocou no painel do carro. Ele me fez olhar pra aquilo e disse que se eu fizesse um pouquinho com ele aquilo seria meu, eu queria o dinheiro então fiquei curiosa pra saber o que faríamos. 

Cada pedacinho apontado por ele foi marcado por um chupão.

Ele começou a apontar os lugares no meu corpo onde queria beijar, apontou pros meus lábios, pro meu pescoço, pra minha teta, pra minha barriga e foi descendo até tocar na minha pepeca - quando chegou nela ele manteve seus dedos em cima do meu grelinho e sua outra mão foi atrás de mim procurando meu cuzinho. 

Eu deixei aquilo tudo e ele se empolgou, não demorou muito tempo e eu já estava completamente nua dentro do carro daquele desconhecido, já estava toda arreganhada deixando sua língua roçar na minha buceta, ele enfiava seus dedos no meu buraquinho e chupava meu grelo com força. 

Poderia deixar a boca dele me chupando o dia inteiro de tão gostoso que estava, vi seu pau crescendo na calça e saltando pra fora de tão duro que estava. Ele percebeu que eu não tirava o olho do pau dele e perguntou se eu queria por na boca, eu não respondi nada então ele ameaçou dizendo que se eu não chupasse ele também eu não ganharia meus 100 reais, então eu chupei, não só pela ameaça, mas eu  precisava de um empurrãozinho. 

Chupei sua pica e recebi a leitada bem na minha cara, me lambuzou inteira, fiquei com porra até no cabelo, ele riu e guardou a piroca, depois que eu me vesti ele colocou os 100 reais dentro da minha calcinha e disse que queria fazer aquilo em mim no dia seguinte também. 

Saí do carro ainda com as pernas tremendo, fui direto pro chuveiro, ficava sentindo sua boca na minha buceta como aquela sensação de estar na água depois da praia. Voltei outras muitas vezes pro carro dele, mas só ganhei o dinheiro da primeira. 

By - Sheillaxv

Comentários