Fui flagrada na siririca

Meu tio me flagrou na siririca e me comeu 

Certa vez eu estava deitada na minha cama, tinha acabado de acordar. Eu estava sozinha em casa com um amigo da família que tava passando o final de semana na minha casa. Ele faria uma prova no dia seguinte e precisava de um lugar pra ficar. 

Acabei tendo que ficar com ele em casa na parte da manhã pois todo mundo teria seus afazeres nesse horário, eu não me importava afinal todo mundo gostava dele, mas com certeza não faria o papel de babá o tempo inteiro. Eu acordei com umas piscadas na minha buceta, sabia que aquilo era vontade de me tocar porque fazia já uns dias que não me masturbava e eu gosto muito.

Eu achei que estivesse sozinha em casa naquele momento, acordei tão atordoada que esqueci da presença daquele homem em casa, acho que o tesão me deixou lerda a esse ponto. No meio da minha siririca ele aparece do nada no meu quarto. Ele foi de fininho eu não escutei ele chegar. Só percebi quando ele me chamou pelo nome com uma voz assustada. 

Eu estava com a mão enfiada na minha calcinha. Eu acariciava meu grelinho de olhos fechados. Me espantei quando percebi que ele tava lá...fiquei assustada pois pensei que ele fosse contar pra todo mundo e com certeza meu pai me mataria achando que eu estava me exibindo pro seu amigo. 

Rapidamente implorei pra ele não contar nada pra ninguém, toda chorosa eu fiquei implorando por uns 2 minutos. Cheguei a pular em cima dele como uma garota birrenta, mas eu estava praticamente nua da cintura pra baixo e quando percebi isso voltei correndo pra sentar na cama e voltar pra minha cena. 

Até que ele sentou do meu lado e começou a fazer carinho no meu rosto me prometendo que não contaria pra ninguém. Seria nosso segredinho e eu estava satisfeita com aquilo, porém ainda estava completamente indecente e ele não fazia nem sinal de que sairia do meu quarto.

Ele dava uns sorrisos maliciosos. Eu não sabia o que ele tava pensando, mas fiquei muito feliz por saber que ele não iria me dedurar. Fiz questão de dar beijinho no rosto dele como agradecimento. Ele fez que iria devolver e acabou me dando um beijo na boca.

Ele tocava minha barriga; seus dedos gelados me deixavam arrepiada. Sua mão lentamente ia subindo até que chegou nos meus peitos, ele os encarava como se fossem as últimas tetas da face da terra. Acho que ele pensou em 1 milhão de motivos pra não continuar com aquilo, mas bastou apenas um pra incentivar ele a continuar: o tesão. 

Ele mexia nos meus peitos e apertava o biquinho. Antes de tocar seus lábios na minha teta ele ainda perguntou se poderia, era minha chance de negar e ser a mulher responsável que meu pai me ensinou a ser, mas preferi ser a putinha que seu amigo esperava que eu fosse. Então eu deixei e fechei meus olhos enquanto sentia aquele homem me mamar. 

Apesar de tudo eu ainda sentia medo de ser flagrada por alguém da família fazendo aquilo, sexo era a coisa que eu mais escondia da minha família, pra todos os efeitos eu era a garota virgem esperando o momento certo. O amigo de papai era um comedor nato e me acalmava só pra não perder a oportunidade de enfiar seu pau num buraquinho quente.

Contos eróticos siririca

Ele dizia que não era pra eu me preocupar porque ninguém iria saber o que a gente fez, então eu fui relaxando. Foi quando ele me deitou na cama e começou a beijar meu corpo. Enquanto ele me beijava sentia que ao mesmo tempo suas mãos procurava terminar de me despir, acabei ficando completamente sem roupa em pouco tempo.

Enquanto isso eu via seu pau ficando cada vez mais armado por baixo da sua cueca. Em pouco tempo estava tão duro que escapulia deixando a cabecinha da pica pra fora. Eu via seu pau babando de tesão, dava pra imaginar o quanto ele queria meter em mim e não pararia até ver toda a sua piroca atolada na minha buceta.

Quando ele tirou seu pau pra fora eu vi o quanto ele era enorme, aquilo era uma monstruosidade, era grosso, veiudo, com certeza não entraria fácil, mas eu não tinha muita escolha. Eu já tinha ajoelhado demais e agora teria que rezar querendo ou não. Ele colocava minha mão em cima da sua pica e quase não conseguia fechar toda na minha mão. 

Enquanto eu tentava segurar aquele monstro que ele chamava de pau, ele dedava minha buceta, apesar do medo de ser penetrada eu ainda estava molhadinha, minha pepeca fazia os dedos dele deslizar e me lambuzar inteira, sentia meu melzinho escorrendo pelo meu cu enquanto ele me tocava. 

Ele chupava minha buceta com força que até fazia barulho. Tava tão gostosinho que eu ficava hipnotizada com a sua língua passeando pela minha buceta. Quando ele começava a sugar meu grelinho eu gritava tanto de tesão que tinha que colocar uma almofada pra abafar meus gemidos. Eu tava adorando, era uma manhã de princesa. 

Senti meu corpo estremecer de vez e logo em seguida veio um gemido que não consegui controlar, ele percebeu que eu tinha gozado em sua boca e se levantou dando risada perguntando se eu já tinha me divertido. Eu estava de pernas abertas toda molhada e gozada, morri de vergonha com aquela pergunta. 

Então ele veio se aproximando do meu rosto, ele chegou tão perto que eu poderia ver seu pau pulsando na minha frente, fiquei olhando aquilo morrendo de vontade de colocar na boca. Uma parte de mim queria esperar pra ver se ele iria pedir uma chupadinha, mas a minha outra versão putinha abriu a boca e foi em direção ao seu pau. 

Coloquei a cabecinha na minha boca chupando como se fosse o picolé mais gostoso do mundo, sentia o gostinho da sua baba na minha língua e engolia tudinho. Ele se sentou na minha cama encostado na parede enquanto eu sentava na sua perna e mamava sua pica. Minha buceta gozada lambuzou toda sua perna.

Ele forçava minha cabeça no seu pau fazendo entrar cada vez mais fundo na minha garganta. Quase gozando na minha boca ele me fez deitar na minha cama de pernas abertas e logo em seguida veio pra cima de mim mirando sua piroca na minha buceta. 

Já dentro de mim ele se movimentava como um cavalo no cio, parecia que tinha tempo sem trepar, ninguém nunca tinha me comido com tanta força daquele jeito. Fiquei em baixo dele como uma formiguinha sem rumo esperando meu dono esporrar seu leite. 

Fiquei ali naquela mesma posição sendo dominada até finalmente sentir seu leite dentro de mim, quentinho e direto da fonte sentia ele me preenchendo. Quando aquele cavalo se desatracou de mim seu pau já estava bem mais calmo, ele procurou sua roupa e saiu do meu quarto direto pro chuveiro. 

Eu continuei deitada tentando imaginar o que passava pela cabeça dele depois de me ver daquele jeito completamente nua e cheia da sua porra na buceta. Na madrugada daquele mesmo dia ele ainda tentou me beijar na cozinha quando acordei para beber água, mas meu pai acordou com o barulho; foi verificar o que era e acabou atrapalhando tudo. 

gozando na boca
Contos eróticos

By - Sheillaxv

Comentários