Fiquei bêbada e um desconhecido me comeu

Carinho na pepeca dentro do carro do estranho contos eróticos

contos bebada safada
Um desconhecido se aproveitou que eu tava bêbada

Não costumo beber sempre, mas quando bebo fico ruim e bem lerdinha; prefiro beber entre amigos porque parece ser mais confiável. Meu namorado JP não gosta muito quando bebo porque perco a linha e sempre que resolvo sair pra algum lugar que ele sabe que vou beber a gente briga e eu fico desolada. 

Quanto mais triste eu fico mais bebo e é aí que perco o controle. Mas eu não fico triste por muito tempo; logo fico animadinha e fazendo amizade com qualquer estranho que aparece. Meu último final de semana provavelmente vai acabar com meu relacionamento, bebi demais e acabei fazendo coisas que o JP jamais me perdoará se descobrir. 

A gente tinha brigado porque resolvi sair com umas amigas para beber e ele não podia ir junto porque era noite das meninas, lá no bar eu enchi a cara pra esquecer da nossa briga e acho que exagerei um pouco. Me lembro de estar naquele bar dançando com um homem na pista, lembro dele se esfregando em mim e apalpando minha bunda sempre que tinha oportunidade.

Enquanto a gente dançava eu escutava a voz do meu namorado na minha cabeça me avisando pra não fazer nenhuma besteira e era justamente a besteira que eu tava prestes a fazer. Lá no fundo eu sentia uma certa culpa por me permitir estar naquela situação, mas ao longo da noite aquilo foi passando e dando lugar a um tesão impossível de controlar. 

Eu sempre tirava a mão dele de cima de mim, mas na primeira oportunidade que tinha ele voltava a me tocar. Infelizmente no decorrer da noite fui me deixando levar pela bebida, fui ficando cada vez mais longe da racionalidade e aquele homem foi se aproveitando disso. A cada minuto eu ficava cada vez mais longe das minhas amigas sem que ninguém percebesse, quando me dei conta eu já estava num carro com a expectativa de ser levada para casa. 

O maior problema de quando bebo é que fico com muita vontade de tocar na minha pepeca e as vezes esqueço que o momento não é adequado pra isso. Ele já estava ouriçado pra me comer desde a hora que começamos a dançar então quando entrei no seu carro e enfiei minha mão dentro da minha calcinha foi o sinal que ele precisava pra terminar o trabalho. 

O lugar onde o carro estava estacionado não passava um pé de gente, enquanto andávamos em direção ao seu carro ele levantou meu vestido deixando exposto minha bunda, ele chegou atrás de mim e deu alguns passos me encoxando por trás até quando eu voltei pra minha consciência e saí de perto. 

Quando entramos no carro minha velha mania de acariciar minha pepeca me deixou em maus lençóis, eu estava no carro de um desconhecido com os dedos atolados dentro da pepeca; com certeza isso não daria algo que preste. 

Me lembro que enquanto eu me tocava ele me assistia; até ligou a lanterna do celular pra ver melhor, ele mirou bem pertinho da minha calcinha enquanto meu dedo tava bem lá no fundinho. A gente ria tanto, coloquei minhas pernas no painel do carro pra ficar mais arreganhada e foi nesse momento que vi ele se aproximando da minha pepeca pra me chupar. 

Ele enterrava sua língua no meu buraquinho e sugava meu grelo duro; isso quase me matou de tesão, meu melzinho escorria pelo meu cu e melava o banco do carro dele. Quando ele tirou sua piroca pra fora da calça eu não me aguentei e abocanhei seu pau; sem perder tempo ele afastou o banco pra trás ao máximo que podia e me fez sentar em seu colo. 

Senti a cabeça da piroca roçando meu grelinho enquanto ele mamava meus peitos, o celular dele estava apoiado na porta do passageiro do carro e mirando pra gente, eu não sabia se ele estava gravando ou clareando o ambiente. Fui pensar na possibilidade de estar sendo gravada enquanto fodia quando acordei no dia seguinte, mas no carro ignorei completamente isso e deixei ele me penetrar. 

Sentei no seu pau ainda com a pepeca pingando, minha xana engoliu todo o seu caralho, cavalguei na sua jeba até ele gozar dentro de mim. Eu ainda não estava satisfeita quando ele ligou o carro e foi dirigindo pra sua casa, quando entramos ele voltou a me comer, mas dessa vez com mais violência; parecia que ele queria me punir pela putinha que eu estava sendo. 

Quando a foda me satisfez eu já estava com a bucetinha toda machucada e vermelha, ele tinha se aproveitado ao máximo que podia de mim e do meu estado. Acabei dormindo na cama dele completamente pelada, quando acordei senti seus dedos ainda enfiados na minha buceta; senti vergonha e muita dor daquilo, porém eu ainda não consigo parar de me masturbar pensando nesse dia trágico. 

By - Contos Eróticos I Sheillaxv

Comentários