Fui acampar e me comeram

Sexo grupal escondido no acampamento contos eróticos

contos eróticos
Grupal no acampamento contos eróticos

Minha família não aprova muito meu estilo de vida bem livre, viviam dizendo que uma hora eu apareceria com um problemão em casa, na cabeça deles uma hora ou outra eu apareceria grávida. Eu adoro acampamentos, é o meu programa de final de ano ou fim de semana favorito, apesar de não ser muito bem aceito aqui em casa sempre que rola uma saidinha dessas eu vou correndo sem me importar com o b.o de sempre. 

Costumeiramente sempre acampo com uns amigos, sempre achei mais seguro manter o mesmo grupo de sempre. Minha última viagem fui com um grupinho diferente, não eram todos desconhecidos, mas tinha um ou outro rostinho novo interessante. Nossa turma sempre teve poucas mulheres e naquele dia tinha apenas 3, todo o resto eram homens. estávamos em 9 e levando bastante bebida. 

Gosto de acampar, porém gosto mais ainda de privacidade, poucos entre nós estavam dividindo barraca, eu estava sozinha no meu canto cuidando da minha vida quando comecei um papo até interessante com o Davi. Ele era um dos novatos do grupo e até que era bonitinho, mas namorava e estava um pouco bêbado, então eu não deveria dar tanta bola pra ele assim...mas eu dei. 

Um pouco antes quando estávamos numa cachoeira ali perto tive a sensação de estar sendo encoxada por ele, percebi seu pau duro na minha bunda enquanto estávamos na água, mas tentei não ser essa pessoa que acha que está sendo paquerada por todo mundo. Mais tarde quando saímos dali tive outra impressão dele cutucando meus peitos com o cotovelo. 

Ele conversava comigo desse jeito, sempre me tocando ou falando perto demais do meu rosto, outras pessoas achavam que era costume mesmo de falar assim, mas lá no fundo eu sabia qual era realmente suas intenções. Mas pra minha defesa eu evitei até o último minuto fazer merda com um homem comprometido.

Não lembro ao certo em que parte da conversa aceitei beber com ele, as vagas lembranças que tenho desse início eu já estava bem levinha e trocando carícias com ele por baixo de um cobertor. A gente ainda estava do lado de fora da barraca com um cobertor fingindo sentir frio, mas ali por baixo minha mão segurava seu pau e a mão dele fazia carinho na minha pepeca

As coisas começaram a esquentar quando ele passou a meter seus dedos dentro do meu buraquinho, aquela era a hora de sair dali e encontrar um lugar mais escondido pra terminar o que tínhamos começado. Na nossa cabeça nossas trocas de carícias estavam suficientemente discretas, jurei que ninguém percebia a putaria, mas uns 2 amigos dele lá no finalzinho do acampamento estava de olho e espiando todos os nossos movimentos. 

Quando saímos para um lugar mais afastado eles vieram atrás pra ter certeza que não ficariam de fora. Caminhamos um pouco em direção a umas pedras, parecia um quartinho no meio do mato, ali o Davi me beijou e me mostrou o quanto estava excitado. Seu pau bem duro roçava na minha bunda quando os outros resolveram aparecer pra gente, pegaram a gente ali no pulo, meu short estava no meio da minha bunda. 

O Davi estava com o pau pra fora tentando atolar no meio das minhas pernas quando eles apareceram querendo entrar na brincadeira. Com certeza eles tinham combinado aquilo, foi tudo tão sincronizado. A chegada deles apimentou um pouco mais aquilo, foram tirando minha roupa e jogando em qualquer lugar que com certeza eu levaria um certo tempo pra encontrar depois. 

Me puseram de joelhos mamando uma piroca e punhetando outras duas, faziam um rodízio na minha boca. Davi logo se atiçou pra querer meter em mim, me levantou e me deixou encostada numa pedra enquanto segurava uma de minhas pernas. Seu pau me comeu no pelo, ninguém lembrou da camisinha, enquanto ele me penetrava os outros ficavam olhando e se masturbando. 

Dava pra ouvir a respiração ofegante deles, parecia que tinham acabado de correr uma maratona. Quando um terminava de me comer e gozava em cima de mim o outro já enfiava seu pau, no último a me penetrar já sentia minha buceta bem sensível, as enfiadas doíam um pouco mais e meu grelinho já não aguentava mais ser tocado. 

O último jato de porra veio em cima da minha virilha, ele gozou e tentou empurrar com o pau pra dentro da minha buceta, mas eu não deixei. Fiquei ali caçando minhas roupas pelo chão enquanto eles se ajeitavam, encontrei tudo menos minha calcinha. 

Voltei daquele jeito mesmo e caí no sono, no dia seguinte voltei ao lugar que tinham me comido na noite anterior pra ver se achava minha calcinha, mas tinha sumido, talvez alguém tenha levado de recordação. 

By - Contos eróticos I Sheillaxv

Comentários