O motorista casado gozava dentro de mim escondido

Depósito de porra do motorista safado.

Novinha safada no mato


As vezes tenho a impressão de que ele só me usava para esvaziar suas bolas. A gente namorava há um tempo, mas ele é casado e tem filhos. Nos conhecemos quando ele ainda era motorista de ônibus e rodava pra minha cidade. Ele não era tão mais velho assim... pelo menos não pra mim. Quando começamos a sair eu estava no meu último ano de ensino médio, demorei para terminar porque tinha perdido um ano, ele ficava ali na esquina da rua esperando eu sair. 

O pessoal que trabalhava perto fingia não ver aquela pouca vergonha, um homem naquela idade, casado e com filhos na porta de uma escola esperando sua ninfeta sair pra ele despejar nela o estresse da semana. Eu jurava que um dia ele iria divorciar da esposa e finalmente ficaria comigo; então teríamos filhos e casaríamos. 

Qualquer lugar sem muito movimento virava palco para safadezas, eu não podia levar meu homem pra minha casa e nem poderia ir num motel com a farda do colégio, então na pracinha mais próxima e sem movimento eu deixava ele me tocar. Sentada num banquinho atrás de um monte arbustos mal plantados eu colocava minhas tetas pra fora da blusa da minha farda, era meio difícil, aquele tanto de roupa não ajudava muito, mas eu adorava dar de mamar pro meu macho. 

Minha perna sempre ficava em cima da perna dele, eu dizia que era porque achava fofo, mas só queria facilitar seus dedos dentro da minha calcinha. Enquanto ele me mamava eu ficava vigiando a rua, de vez em quando passava alguém olhando, com certeza sabia o que estava acontecendo ali, porém não dizia nada. 

Ele ficava mais feliz quando estava me mamando.

Como um bezerrinho ele me sugava; depois de um tempo já dava pra perceber o volume do seu pau crescendo na calça. Ele ainda fardado tentava não ser reconhecido ali comigo, mas o tesão era tanto que se fosse um pouco mais escondido me comeria ali mesmo. Faltava lugar pra gente trepar e dava pra sentir que meu homem não aguentava mais, sempre depois de um boquete sua pica já ficava dura querendo mais umazinha. 

Eu sempre fazia suas vontades na esperança de provar que seria uma melhor esposa pra ele. Um dia ele me chamou pra ir num lugar mais afastado pra gente ficar mais a vontade. Eu o segui que nem uma gazela saltitante. O lugar era a entrada para a zona rural da minha cidade, logo de frente tinha um terreno abandonado com umas tralhas jogadas pra todo canto. O dia tava meio chuvoso e por causa disso tinha menos transito que o normal. 

No cantinho mais escondido possível ele me atracou contra uma parede suja e me beijou, ele grudava seu corpo contra o meu e me fazia sentir sua piroca dura por cima da roupa. Ele fazia movimentos me roçando como se quisesse meter em mim sem nem tirar a roupa, achei que seria mais um dia só nos beijos, por isso eu provoquei... passava minha mão pelo seu pau acariciando bem gostoso. 

Ainda atracada aos beijos com ele eu o fiz me pegar no colo, pelo meu tamanho acabei encaixando certinho na sua cintura o que facilitou ainda mais as roçadas que ele dava em minha pepeca. O chão daquele lugar era somente barro, sem condições que eu iria ficar pelada ali, mas ele fez... sem eu perceber ele foi me despindo me fazendo acreditar que seria rapidinho só pra ele ver. 

Eu recebia tapas na bunda e sentia seus dedos invadindo minha pepeca bem lentamente. Vi ele se ajoelhando na minha frente e me fazendo ficar de vigia pra ver se alguém aparecia, então ele abria minha xana e sugava com força meu grelinho que aquela altura estava bem duro. Dava pra ouvir o barulho dele chupando minha buceta, eu tentava deixar os olhos abertos pra não ser flagrada por alguém ali. 

Sua piroca tava tão dura que mal conseguia ser contida na cueca.

Quando ele se levantou e avisou que iria meter eu tentei desistir, falei que não poderia fazer aquilo ali, mas ele não ligou muito. Me ouvindo falar que não queria ele foi mirando sua piroca na minha buceta, cada ''não'' que eu dizia pra ele era uma roçadinha que ele dava com a cabeça do pau no meu grelinho. 

Sem ter muito o que fazer eu relaxei e deixei que me jogasse no chão e abrisse minhas pernas naquele lugar imundo. As veias saltadas do seu pau parecia que iria explodir, eu só conseguia imaginar o quão cheias suas bolas estariam naquele momento. A cabeça da piroca chegava até a brilhar... Numa só estocada ele meteu tudo dentro de mim, na primeira metida ele deixou lá dentro e veio até meus lábios me beijando, conseguia sentir seu pau latejando dentro de mim. 

A blusa da minha farda aquela altura deveria estar imunda de tão suja. Ele olhava pros lados pra se certificar de que estávamos sozinhos e então metia... entrava e saía de dentro da minha xana, seu dedo acariciava meu grelo enquanto me comia e sua boca se revezava entre meus peitos. 

Não demorou muito pra eu sentir seu jato de porra dentro de mim, achei que seria mais gentil, mas ele só se aliviou e saiu de cima. Todos os outros dias foram assim, e quando o lugar estava ocupado a gente continuava a procurar o menos movimentado só pra ele me comer. Ele era meu namorado, mas ninguém poderia saber porque senão atrapalharia o divórcio que até hoje ele me promete.

By - Sheillaxv

Comentários