Dormi no sofá e ele se aproveitou

O pedreiro aqui de casa se aproveitou do meu cochilo

Pedreiro me comeu contos eróticos

Esses dias corridos quase não tenho tempo pra fazer alguma outra coisa, acabo chegando sempre muito cedo em casa e tão cansada que pego no sono em qualquer lugar. O problema é que estão fazendo umas reformas na minha casa e essa de dormir em qualquer lugar acaba não dando certo. 

São dois rapazes que vem aqui ajeitar as coisas, mas nesse dia só estava um, na verdade foi até surpresa saber que ele estaria aqui no dia. Pra mim eu estava sozinha e assim que cheguei em casa me joguei no sofá. Pensando bem desde o dia que ele começou os trabalhos aqui em casa percebo que me olha de rabo de olho, as vezes chega a ser inconveniente porque fico com vergonha. 

Outro dia saí do banho e passei ao seu lado, percebi sua mão descendo e ajeitando algo dentro das calças, na hora pensei que não tivesse me visto ou mania de pedreiro mesmo. Mas na primeira oportunidade ele estava ali tocando em mim enquanto eu cochilava. Como eu disse; tinha acabado de chegar em casa, a unica coisa que deu tempo fazer antes de me jogar no sofá foi tirar minha roupa. 

Eu sabia que meus pais não chegariam tão cedo e por isso fiquei a vontade daquele jeito, eu vestia apenas uma calcinha; até meu sutiã foi pra longe. Me deitei e cochilei por uns minutos; quando acordei algo estava me coçando, ainda meio sonolenta passei a mão pela barriga na tentativa de interromper a coceirinha, mas não tive sucesso. 

Ainda não estava raciocinando sobre o que estava acontecendo ali naquele momento, me movi tanto que acabei abrindo mais ainda minhas pernas e facilitando mais ainda a vida dele. Me dei conta quando senti uma mordiscada e me assustei abri os olhos rapidamente e vi seu rosto entre minhas pernas. 

Minha calcinha estava pro lado e ele segurava com aquelas mãos ásperas facilitando as sugadas que dava em meu grelinho, não sei porque antes de reclamar com ele eu dei um  leve gemido, isso só confirmou pro safado a putinha que sou. Envergonhada tentei tirar seu rosto dali, então ele me segurou pela cintura e forçou mais ainda minha buceta contra sua cara. 

Vacilei de perna aberta e minha pepeca sobrou

Quanto mais eu me debatia pedindo para que interrompesse aquilo mais ele continuava a me chupar, até que uma hora não aguentei mais me debater e relaxei. Fiz uma cara de brava pra que ele pudesse perceber que não estava gostando daquilo, mas quando me dei conta estava de olhos fechados e aproveitando sua língua em mim. 

Na mesma hora me senti uma prostituta barata, queria não sentir aquelas coisas, mas tava tão bom. Perdi a noção da hora e do estado que estávamos, não sabia mais se estava perto da hora de meus pais chegarem e comecei a ficar com medo de nos encontrarem daquele jeito. Aos poucos fui cedendo e cada vez mais deixava que fizesse o que queria comigo, meu grelinho começou a piscar em sua boca e minha buceta tava ficando molhadinha que até me deixava com vergonha por estar gostando. 

Vi seu pau duro apontando pra fora da calça e ele punhetando, a cabecinha da piroca babava molhando sua calça de serviço azul, dava pra ver certinho a marca. Rapidinho ele tirou sua roupa e veio pra cima de mim, me forçando a fazer um 69 ele colocou sua piroca em minha boca de vez, por pouco não engasguei, seu pau era cheio de veias bem evidentes. 

Eu só conseguia pensar no quão excitado ele estava por mim naquele momento e o quanto ele esperava pra fazer aquilo comigo. Ele era sacudo e suas bolas quase me sufocavam naquela posição, minha pepeca logo voltou a receber as chupadinhas do pedreiro safado. Quando menos esperei senti o jato de porra dentro da minha boca, virei o rosto com dificuldade pra tirar aquela piroca de dentro, sua gala sujou meu rosto inteiro. 

Bebi o leitinho do pedreiro safado

Apesar da esporrada direto no meu rosto a pica dele não amoleceu, duro como pedra ainda tentava me forçar a abrir a boca. Percebi aquele olhar faminto dele pra cima de mim, parecia que iria me devorar a qualquer minuto, então sem me dizer uma palavra ele me botou de 4 em cima do sofá. 

Eu parecia uma cadela adestrada fazendo tudo que me mandava, era errado e eu sabia, mas fiquei quietinha na posição que o machão tinha me colocado.  Não deu tempo de exigir camisinha, quando me dei conta sua piroca já estava me invadindo, minha pepeca molhada facilitou tudo, entrou tão fácil que parecia pepeca de puta. 

Eu tremia de medo e de tesão ao mesmo tempo, ele enfiava sua piroca em minha buceta e forçava seu dedo dentro do meu cuzinho, amo ouvir homem gemendo e escutar ele fazendo aquilo me deixou mais excitada ainda. Minha pepeca começou a fazer barulhinhos enquanto ele metia, aquela altura eu mesma ajudava seu pau a entrar e sair de mim, meu gozo quase pingando em cima do sofá e ele todo orgulhoso por ter me deixado daquele jeito. 

Ele me fez ser seu depósito de porra

Não demorou muito e ele já estava preparando seu leite pra jogar dentro de mim outra vez, me estocando forte senti sua pegada na minha cintura e ele me apertando contra ele. Seu pau pulsando dentro de mim logo senti esporrada, nem parecia que já tinha gozado antes. Passei minha mão por baixo e senti sua pica pulsando despejando cada gota dentro. 

Cansada de ficar naquela posição eu me joguei no sofá, então o pedreiro safado sem querer sair de dentro ainda me acompanhou naquela posição, fechei os olhos por uns minutos torcendo pra que  ele saísse dali. O pervertido só saiu quando sua pica amoleceu, ele se vestiu e saiu sem dizer uma palavra eu continuei ali me recuperando da foda quando ouvi o barulho do portão sendo aberto. 

Quando meus pais entraram eu já estava dentro do banheiro, ouvi minha mãe gritando da porta puta da vida porque eu tinha sujado o sofá com alguma coisa; contei que tinha sido leite mas não especifiquei qual.

By - Sheillaxv

Comentários