Ele me comeu no ônibus escondido

O motorista safado do buzu

dando no onibus


Eu costumava sempre a voltar tarde da noite da faculdade, na verdade isso ainda acontece apesar dessa pausa da pandemia. Ficava sempre pro último horário do ônibus, e como moro numa região metropolitana tem um buzu que leva geral pra casa. Por causa disso peguei amizade muito rápido com seu Milton, ele era o motorista do ônibus que sempre tentava ver a minha calcinha pelo retrovisor. 

Eu sempre percebia suas olhadas, aparentemente ele não sabia que eu notava ou talvez não ligava o suficiente; não sei ao certo. Percebia que sempre quando descia na última parada para encontrar com meu padrasto ele segurava no pau e esperava até o último segundo para abrir a porta enquanto eu ficava ali parada normalmente com o vestido enfiado no meio da minha bunda por passar tanto tempo sentada. 

Seu Milton até então nunca tinha tentado nada comigo, a gente só conversava besteiras durante o trajeto e isso quando acontecia de nos falarmos. Uma vez ele perguntou se eu tinha namorado de uma maneira bem discreta, dei a entender que não tinha e ele seguiu sem tocar no assunto, porém foi ficando mais ousado em nossas conversas principalmente quando se tratava das roupas que eu vestia. 

De outra vez ele elogiou minha raba e disse que se fosse meu namorado jamais me deixaria sair desse jeito excitando os machos na rua, então só pra brincar com ele eu perguntei se ele também ficava excitado. Nesse dia a gente ainda tava parado no ponto de apoio esperando o pessoal da outra faculdade e por uns minutos ele segurou tão forte a piroca por cima da calça que até pensei que ele colocaria pra fora naquele momento mesmo, mas nada aconteceu e logo em seguida entrou uma galera. 

Confesso que naquele dia meu coração gelou então eu parei de fazer essas coisas e passei a sentar mais afastada dele, lá no meio eu acabava pegando no sono durante a viagem e só acordava na hora de descer. Acho que em uma dessas vezes eu não acordei e senti que alguém tentava me acordar, mas eu tava tão cansada e tão focada no meu sonho que acabei sonhando de verdade que alguém me chamava, mas por algum motivo não abri os olhos. 

Eu deixava ele ver minha calcinha de propósito

De vestido e sem short por baixo eu tenho certeza que estava completamente arreganhada no banco, seu Milton não deve ter precisado fazer muito esforço para encontrar minha pepeca lisinha. Senti sua língua entrando no meu sonho; ainda não sabia o que era mas estava gostoso, ele passeava pelo meu buraquinho e eu tinha certeza que já estava deitada. Sentia algo quente tocando meus peitos...era seu Milton se revezando entre a pepeca e minha teta, com os biquinhos já duros e bem evidentes eu acordei quando ainda estava sendo sugada por ele. 

No primeiro momento fiquei atordoada com medo de ainda ter gente ali dentro, mas logo percebi o buzu parado bem longe do lugar que eu costumava descer. Ainda era cedo e meu padrasto provavelmente nem tinha saído de casa para ir me encontrar, seu Milton parou num lugar estratégico só pra ir degustar a putinha do buzu. 

Eu fazia um charme e dizia que estava com medo de alguém nos flagrar ali dentro, e como um bom cavalheiro ele fingia que tudo estava bem e fazia carinho no meu cabelo como se aquilo fosse resolver todos os problemas do mundo. Seu Milton ouriçado para me comer não estava muito aí pro que acontecia ao redor e nem se importava com as janelas abertas, ele enfiava seu rosto entre minhas pernas e eu tentava colocar meu casaco na tentativa de tapar aquela putaria. 

Logo senti ele enfiando seus dedos em mim, começou enfiando apenas 1 para que eu pudesse me acostumar e foi aumentando até conseguir meter vários de vez. Não percebi a hora que ele colocou sua piroca pra fora; quando me dei conta ela já estava ali balançando na frente da minha cara e ele forçando meu pescoço pra minha boca ir de encontro aquela jeba duríssima. 

Mamei sua pica igual uma puta

Tinha um cheiro forte de pica que ficou dentro de uma calça um dia inteiro, eu não queria colocar na boca muito menos sentar naquilo, mas não tinha muito pra onde correr, eu tinha recebido uma puta mamada na pepeca e teria de retribuir o prazer que meu macho motorista tinha acabado de me proporcionar. 

Então eu me preparei pra colocar aquilo na boca e quando menos esperava já estava mamando gostoso sem fazer nojinho, já estava delicioso e ele gemendo com aquela voz rouca misturada com medo deixava tudo mais gostoso. Parecia um adolescente fazendo coisa errada e gostando da coisa; eu via a aliança brilhando no dedo dele e o safado cada vez mais duro por mim. 

Seu Milton me fez ficar em pé na sua frente e sentou no meu lugar me puxando pela cintura até ficar em cima dele mirando sua piroca na minha xoxota. No pelo ele me fez descer bem devagar pra sentir cada pedacinho dele entrando em mim, quando minha buceta engoliu toda a sua pica ele começou a me movimentar em cima dele, batia na minha bunda e me forçava rebolar cada vez mais em cima dele. 

Gozei junto com ele; senti sua porra me invadindo e melando também um pedacinho da sua calça...ele quase pegando no sono depois da esporrada que tinha acabado de dar em mim não queria levantar pra me levar de volta. Precisei implorar e prometer que daria pra ele sempre que tivesse oportunidade, aquele velho safado logo se animou e nem ao menos terminou de vestir a calça pra dirigir de volta. 

Quando desci do buzu ele ainda estava com a pica pra fora sacudindo e dando tchauzinho pra mim. Meu padrasto do lado de fora culpando horrores o trânsito aquela hora da noite e eu tentando segurar sua porra dentro de mim pra não escorrer entre minhas pernas e ele perceber, acabei perdendo minha calcinha favorita nessa foda.

By - Sheillaxv

Comentários

Postar um comentário