Escondida no armário levando dedada

Putinha e inocente sem calcinha no armário com primo.

buceta gostosa

O espaço não era muito grande, tinha uns cabides que incomodavam bastante e as vezes até furava as costas, mas era bom porque era escondido e ninguém nunca imaginava que tinha alguém ali. Eu juro que no começo era apenas para me esconder, mas sacomé né... eu tava fervendo nessa época, qualquer coisa me excitava, a noite antes de dormir eu apertava tanto o travesseiro na minha pepeca que só faltava rasgar a fronha. 

Por causa disso quando as dedadas dentro daquele armário começaram eu simplesmente deixei sem fazer muito drama, logo depois virou rotina e a gente entrava ali até mesmo quando não estávamos brincando. Era bem difícil se movimentar ali dentro e tinha que ser devagarinho pra moça que limpava a casa não perceber a sacanagem, então eu comecei a ir sempre sem calcinha e usando uma saia bem rodadinha pra facilitar. 

Tiago não tinha um piroca tão grande assim, mas na época enfiar a cabeça da sua pica era bem complicado, acho que porque eu era bem novinha ainda, a falta de experiência fazia ficar muito mais gostoso. De vez em quando a moça da faxina resolvia varrer o quarto bem na hora que eu estava deixando ele me chupar, aquilo dava uma sensação gostosa em mim e eu não conseguia ficar sem gemer, quando ela chegava e ele não tirava sua boca dali eu tinha que ficar me segurando pra não fazer barulho. 

Era pra ser escondido.

Eu achava que aquilo era nosso segredo e que mais ninguém desconfiava daquilo, porém no quartinho tinha uma janela que dava pra ver tudo o que estava acontecendo ali dentro e dava visão direto pra casa do vizinho. Como ele trabalhava o dia inteiro a gente deixava aberta pra ventilar já que o armário era muito quente, quando escutávamos passos de gente chegando a gente fechava a porta do armário e ficava quietinho logo em seguida abria de novo pra não morrer de calor. 

Num cantinho bem escondido tava ele ali nos observando, ele segurava seu mastro grosso olhando pra gente, me vendo de pernas abertas deixando meu priminho me chupar ele ficava se masturbando. Quanto tempo eu passei até o dia que o flagrei nos observando eu não sei, mas de cara percebi que o intuito dele não era me dedurar pra geral, ele gostava daquilo tanto quanto eu. 

O safado devia ter a idade do meu pai, praticamente eu o chamava de tio apesar de não ter nenhum parentesco. Nossa como era grande, eu ainda lembro de ter notado primeiro sua piroca sendo punhetada e logo em seguida fui subindo meus olhos até ver o seu rosto com aquela cara de safado, ele provavelmente também estava ali escondido do pessoal da sua casa. 

Ele percebeu que eu estava o olhando e não parou de fazer aquilo, o safado gozou enquanto o Thiago me chupava, eu vi ele colocando sua mão na frente e aparando sua porra pra não sujar tudo. Logo em seguida ele guardou seu pau e sumiu da minha visão, passei semanas sem voltar ali nem mesmo pra dar de mamar pro Thiago, até que um dia eu voltei pra saber se ainda o encontraria lá. 

Fiquei sentada na cama por uns minutos até vê-lo entrando ali pra pegar alguma coisa sem muita esperança, acho que ele olhou pra dentro do quartinho só pra ter certeza e quando me viu sentada ali soltou um beijinho como se tivesse tentando dizer que estava com saudade. Na mesma hora ele deu uma apertada na sua piroca por cima da roupa e fez um sinal que eu não entendi, eu olhei ao meu redor tentando me certificar que estava sozinha e o respondi dizendo que não tinha entendido. 

A primeira vez que segurei uma piroca de verdade.

Percebi que ele tentava pular o muro da janela pra ir me encontrar e fui correndo fechar  a porta, quando ele entrou não disse nada, e nem podia na verdade, mas me pegou no colinho e me levou até a cama me colocando sentada em uma de suas pernas. Sua barba furava meu rosto quando ele me beijava, ele chupava meus lábios com tanta força que quando tudo terminou estavam bem vermelhinhos, o tempo inteiro ele olhava pro lado de sua casa pra se certificar que estava tudo limpo. 

Seu dedo passeava pela minha pepeca e tentava penetrar minha grutinha o tempo inteiro, não demorou muito pro seu pau pular pra fora da sua roupa, aquele mastro enorme que eu via pelo outro lado da parede tava ali na minha frente babando pedindo pra ser chupado, a pica do Thiaginho não babava daquele jeito. Logo ele me tirou do seu colo e me colocou deitada na cama toda arreganhada, não fez muita cerimônia por causa do tempo, senti ele lubrificando minha xana com a babinha que saía do seu pau e logo em seguida senti seu corpo forçando a entrada da sua piroca em mim. 

Ele me invadiu quase me rasgando toda, na primeira estocada minha perna tremeu tanto que achei que não iria aguentar, fechei os olhos tentando não fazer barulho e torcendo pra ninguém entrar no quarto. Meu vizinho safado parecia um urso em cima de mim, imagino a cara do meu pai entrando ali e vendo um homem do seu porte comendo a filhinha dele, acho que mataria o velho. 

Minha pepeca apertadinha logo fez ele gozar em mim, não deu tempo de tirar e recebi toda sua porra bem no fundinho, quando ele saiu de dentro já foi guardando a pica e voltando pra sua casa, fiquei ali arreganhada na cama tentando descobrir como levantar sem me sujar inteira de porra. 

Mas não teve jeito, seu leite escorreu pela minha perna até quando cheguei ao banheiro pra me limpar, fiquei uns minutos agachada até sair tudo. Passei o resto do dia andando meio torto e procurando um lugar pra jogar fora minha calcinha que ficou toda manchada de sangue e porra.

By - Sheillaxv

Comentários