Meu irmão fudeu a pepeca da minha amiga japa

Putinha desde bem pequena

teen girl pussy

Descobri muito cedo que gostava de ouvir aquele barulho gostoso de sexo. Comecei a fazer esse tipo de coisa com meus pais, eles sempre davam uma trepadinha antes de dormir. Eu dormia no mesmo quarto que eles em uma cama separada, porém relativamente próximas e por isso eu acabava escutando tudo. 

Normalmente meu pai ia até minha cama verificar se eu estava mesmo dormindo, depois de dar aquela conferida ele ia pra cima da minha mãe, meu pai chegava seu dedo bem pertinho do meu nariz pra sentir minha respiração, nesse momento eu diminuía ao máximo que podia só pra transa deles começar logo. 

Mas depois de um tempo eu fui crescendo e meu pai viu a necessidade da gente ter uma casa mais confortável e com quartos separados, então ele mudou de emprego e passou a receber um pouco mais foi quando  a gente mudou de casa. 

Passei a ir dormir em um quarto separado ao lado do quarto do meu irmão, fiquei tão longe dos meus pais que mal conseguia ouvir o barulho da cama se mexendo enquanto eles trepavam

Eu tinha que me aliviar sozinha e como eu gostava muito de tocar uma siririca eu comecei a colocar a cabeça das bonecas que eu tinha entre minhas pernas pra simular que estava sendo chupada. 

Eu ainda era bem novinha nessa época, mas tinha um tesão absurdo na minha pepeca. A única parte boa em ter mudado de casa era que agora eu podia chamar minhas amigas pra dormir na minha casa. 

Apesar de ter a liberdade poética pra chamar minhas amiguinhas eu só fui fazer isso depois de muito tempo, acho que já tinha passado dos 14 anos quando trouxe alguém pra dormir em minha casa. 

O nome dela era Jaqueline, ela tinha traços orientais e por isso a galera chamava ela de japinha, quando mudei de colégio ela foi a menina que melhor me recebeu e a gente começou uma amizade muito gostosa. Ela sempre estava na minha casa e depois de um tempo convivendo com ela eu percebi que meu irmão também gostava dela. 

Mas não do mesmo jeito que eu, ele tinha segundas intenções. Meu maninho já era bem mais velho, ele devia ter seus 17 anos nessa época e vivia se masturbando, eu achava normal isso porque eu também fazia então eu nunca fui incomodar ele durante suas carícias, sempre dava pra perceber quando ele tava tocando uma punheta. 

Normalmente ele fazia antes de dormir e sujava a cueca inteira, no dia seguinte quando eu entrava no seu quarto pra varrer eu encontrava a cueca jogada no chão cheia de porra. Meu irmão não sentia vergonha de mim quando fazia isso, na verdade eu acho que ele nem sabia que eu já estava ciente das suas putarias. 

Não demorou muito pro meu maninho começar a se atirar pra cima da minha amiga, eu percebia ele tentando olhar pra calcinha dela quando ela aparecia lá de saia, flagrei muitas vezes ele escondido espiando ela tomar banho, o maninho se matava na punheta vendo aquilo, mas ele não era o único que gostava disso, enquanto vigiava ele eu também me tocava. 

Um dia eu peguei a Jaque em cima do colo do meu irmão beijando ele, eu tinha ido tomar banho e acabei esquecendo a toalha, mas antes de entrar no chuveiro eu voltei pra ir buscar, fui na ponta do pé pra não molhar a casa toda e encontrei ela lá. 

Alimentei meu vício usando minha amiga e meu irmão.

No momento do flagra eu não disse nada, não quis assustar eles dois, fiquei escondida espiando pela abertura da porta, de vez em quando eles olhavam em direção ao banheiro pra ver se eu ainda estava lá e continuavam a se beijar. 

Durante o beijo meu irmão passava a mão na minha amiguinha, ele roçava bem em cima do seu grelinho com uma mão e com a outra enfiava no cuzinho dela por cima da calcinha, eu conseguia ver a calcinha dela toda enfiada no cu e ele colocando cada vez mais pra dentro. 

Minha amiga parecia estar gostando daquilo, mas era bem inexperiente e só deixava sua mão acima da cintura dele, de vez em quando ela alisava sua barriga, mas não passava disso. Nesse dia não teve nada demais além de carícias e beijos, mas passei a chamar minha amiga pra dormir em minha casa todo final de semana. 

Em um deles eu percebi meu maninho combinando alguma coisa com ela, eu sabia que iria rolar algo de madrugada pela cara deles, então resolvi ficar bem atenta e até deitei mais cedo pra começar logo. 

Como era de costume meus pais foram dormir bem cedo e baixaram a regra mandando a gente se comportar, meu irmão foi logo em seguida  pro quarto fazendo sinalzinho escondido pra minha amiga, logo depois eu avisei que estava com muito sono e a chamei pra dormir. 

Ficamos na mesma cama, a gente tava conversando quando do nada parei de responder e me virei pro outro lado, minha amiga ficou um pouquinho quieta no canto dela até que percebi que ela mexia muito no celular, pouco tempo depois ela saiu do quarto. 

É claro que eu a segui, tudo estava um silencio absurdo, por isso eu conseguia ouvir um barulhinho singelo de beijo vindo do quarto do meu irmão. Fiquei atrás da parede escutando aquilo, de vez em quando eu ouvia um sussurro do meu irmão pedindo pra apertar mais forte.

Eu ficava doidinha escutando aquilo, quando meu irmão pediu pra Jaque deitar na cama e abrir as pernas eu não aguentei e tive que espiar. Minha cama tinha um beliche que ninguém usava, então com o maior cuidado do mundo eu fiz algo que jamais tinha feito na minha vida, eu subi ali pra espiar meu irmão comendo minha melhor amiga. 

A casa que a gente morava não era de quartos fechados então cada lugarzinho tinha uma bela de uma brecha pro outro lado, a não ser algumas partes que tinham forro no teto, mas não era o caso do quarto do meu irmão, então por isso eu tinha uma bela visão do que acontecia ali. 

Assim que coloquei minha cara ali eu já dei de encontro com minha amiga sem short e sem calcinha, sua blusa de dormir estava toda embolada deixando suas tetas de fora, meu irmão tava entre suas pernas brincando com sua pepeca. 

Meu irmão estava incontrolável, eu só conseguir torcer pros meus pais não acordarem no meio da foda.

De longe eu via a pica do meu irmão tão dura que parecia que iria explodir, tava quase batendo na testa dele de tão duro que tava, por mais que ele tentasse falar baixinho eu ainda conseguia ouvir os pedidos dele pra minha amiga. 

Eu escutava ele pedindo pra ela colocar a pica dele dentro da boca dela e logo depois ficava guiando seus movimentos, comecei a acariciar meu grelinho vendo aquilo, tava na cara que meu maninho tava prestes a penetrar aquela putinha e eu mal podia esperar pra ver a cena. fiquei o mais confortável possível em cima daquele beliche esperando a pica dele penetrar a pepeca. 

Não demorou muito pro meu irmão mirar na entradinha da sua buceta e começar a forçar sua piroca pra dentro, eu conseguia ver a carinha da minha amiga sentindo dor, ele tapava sua boca e dizia que já estava quase tudo dentro. 

Minha amiguinha foi forte e aguentou até o talo do meu irmão, então ele começou com os movimentos de vai e vem, ele ia aumentando o ritmo em cada estocada, meu grelinho piscava enquanto eu tocava uma siririca. 

Eu estava quase gozando, mas me segurei ao máximo que podia só pra pegar bem aquela visão, quando não aguentei mais eu desisti de lutar contra e dei uma bela de uma gozada nos meu dedos, senti meu corpo estremecer na mesma hora, quase perdi o equilíbrio. 

Não consegui acompanhar se meu maninho gozou dentro dela, meu corpo pediu pra deitar logo em seguida e eu acabei pegando no sono, também não vi a hora que minha amiga voltou pra nossa cama, no dia seguinte eu acordei bem mais cedo que ela e parei pra dar uma olhada em como ela tinha ficado. 

A japinha tava bem esfolada, seu pescoço tava cheio de marcas de chupão e pelo short folgado dela eu também percebi que ela tinha voltado sem calcinha, seu cabelo tava sujinho com uma gosminha que eu tenho certeza que era a porra do meu irmão. 

Eles tiveram a audácia de fingir que nada tinha acontecido no dia seguinte, eu também entrei naquela novelinha de fingimento, mas continuei a convidando pra dormir na minha casa por bastante tempo, toda noite meu irmão penetrava na japinha e eu não perdia nenhum capítulo dessa putaria.

By - Sheillaxv

Comentários