Esfregando a pepeca na pica do casado

Esquentei a piroca dele com a minha pepeca.

arreganhada pro primo

As vezes eu me pego tocando uma siririca e me sinto a mulher mais vadia do mundo, não por estar fazendo carinho na pepeca, mas por pensar em um homem casado enquanto faço isso. Sempre tive tara por esses safados, não consigo ao menos esconder o tesão que sinto. 

Pra livrar o meu da reta já deixo claro que jamais dei em cima de homem casado, porém nunca neguei fogo a um bom sexo, principalmente aqueles em que o medo de ser pega reina no momento. 

Eu tava doida pra contar essa história e estou aproveitando meu momento de tesão misturado com bebida pra contar o chifre que ajudei a colocar na cabeça da minha querida prima. 

Não faz muito tempo que isso aconteceu, tem no máximo duas semanas desde que estou postando isso, pra aliviar a culpa outra vez eu declaro que tudo o que fiz foi por causa da quarentena... 

Desde pequena fui acostumada com a família do meu padrasto, sempre passei meus finais de semana com eles e sempre os tive como primos, primas, tios e tias... tudo muito lindo e perfeito, quando eu era pequena as irmãs do meu padrasto viviam dizendo que eu iria dar trabalho quando crescesse. 

Eu vivia indo pro rio com meus primos pra ficar brincando e na maioria das vezes só era eu de mulher, o que era prato cheio pra um bando de moleque no cio. O tempo foi passando e as sobrinhas do meu padrasto começaram a levar seus pretendentes pra casa, por serem bem mais velhas que eu; rapidinho começaram a namorar na porta. 

Nessa época eu já rebolava gostoso na sua pica.

Eu adorava os namorados delas porque sempre me davam doces quando estavam na minha casa. Tinha um em especial que sempre gostei mais, seu nome era Adriano, na época ele já era maior de idade e sempre passava na casa da minha tia pra namorar, quando eu estava lá ele me colocava em seu colo e ficava jogando aqueles joguinhos de celular, era uma vez de cada e na maioria das vezes aquilo deixava minha prima odiosa da vida. 

Eu fui crescendo e não dava mais certo brincar com aquilo, nunca contei pra ninguém daquela coisa dura que eu sentia na minha bunda enquanto eu jogava, aquilo sempre acontecia quando minha prima saía pra colocar o café dele. 

Depois que cresci eu passei a entender o que o safado fazia comigo, comecei a me masturbar pensando nisso...era gostoso imaginar que eu excitava um homem como ele. A parte boa da história é que eles se casaram e o safado continuou me encoxando escondido, na cabeça dele eu ainda era aquela menina que ele botava pra cavalgar em cima do seu colo. 

Não faz muito tempo que ele confiou em mim o segredo de que trai a minha prima, acho que ele só me disse isso pra saber minha reação....não falei nada, apenas dei risada e continuei o assunto. Depois disso ele passou a dar em cima de mim de um jeito completamente descarado. 

Até nude o safado chegou a mandar...como eu disse; não dou em cima de homem casado, porém não nego fogo, com ele não foi diferente. Esperei que desse o primeiro passo e banquei a menina inocente doida pra ser penetrada por um homem como ele. 

Minha prima na maior inocência vivia me convidando pra dormir em sua casa pra que eu ajudasse com o filho recém nascido dela...foi durante seu banho que seu marido passou a mão na minha pepeca pela primeira vez. 

Eu era a babá do filhinho e brinquedo sexual do papai.

Eu estava usando meu vestido de dormir com uma calcinha que mal cobria minha pepeca greluda, eu tava cuidando do filho dele na hora e senti uma mão por baixo da minha perna tentando alcançar meu grelinho. 

Abri pra facilitar e olhei pra cara dele avisando que seríamos pegos, no fundo eu nem tava ligando pra isso, era apenas charme. Quando escutamos a porta do banheiro sendo aberta ele me soltou de vez tão rápido que mal deu tempo de colocar minha calcinha de volta no lugar... Dormi aquela noite toda pensando naqueles dedos me tocando e acabei me matando na siririca até dormir. 

Depois desse dia passou pouco tempo até a merda de fato acontecer. Minha prima muito inocente confiou a tarefa de me levar de volta pra casa ao seu marido, estava escuro e no meio do caminho ele me encostou no muro de uma casa. 

O único trabalho que teve foi de colocar minha calcinha pro lado, fiquei ali em pé com a perna arreganhada vigiando enquanto aquele safado percorria a cabeça do seu pau na minha buceta, tava tão quentinho e gostoso que acabei ficando molhada. 

De vez em quando alguém passava de moto e fingíamos ser um casal qualquer namorando, no fundo estava torcendo pra que ninguém o reconhecesse, minha perna tremia de medo e vontade de ir pra casa, porém o tesão superava tudo isso aí. 

Pra facilitar eu tirei minha calcinha e coloquei minha perna grudada em sua cintura, devagarinho ele foi metendo aquela jeba dentro de mim. Estávamos sem camisinha e com tesão, teve que ser no pelo mesmo, eu torcia pra que ele se controlasse pra não gozar dentro de mim mas ainda me mantinha toda arreganhada pra ele. 

Se revezando entre meter a piroca bem no fundo da minha buceta e roçar no meu grelinho ele acabou me fazendo gozar bem rápido, fiquei trêmula esperando seu leitinho ser esporrado bem gostoso em cima da minha pepeca. 

Eu sentia ele se controlando até a última força só pra continuar metendo em mim, não podíamos demorar muito então eu comecei a apertar sua piroca com a minha pepeca, quando ele sentiu sua pica sendo sugada pela minha buceta ele acabou gozando jatos de porra na testa da minha pepeca.

Certeza que o primeiro jato foi dentro de mim, porém é só torcer agora pra não dar nada. Voltei pra casa com a sensação de que tinha esquecido algo, só lembrei quando já estava no banheiro tirando a porra do meu priminho da minha perna que minha calcinha havia ficado na porta da casa de alguém. 

By - Sheillaxv

Comentários