Dedada no uber

O Uber safado se aproveitou da minha embriaguez pra dedar minha buceta enquanto eu dormia. 

dedada no carro

Minha perna estava levemente aberta dentro do uber. Eu estava encostada na porta do carro quase escorada no vidro. Talvez estivesse ainda um pouco bêbada, mas ainda não consegui descobrir se era álcool ou tesão. Uma amiga que estava comigo já tinha capotado de sono há horas no banco traseiro do carro. Saímos da festa com o carro do uber completamente lotado de bêbados, eu era um deles e fiquei sentada na frente. 

No decorrer do caminho o carro foi esvaziando até que sobraram apenas nós 3. Eu estava voltando de uma festa fantasia e a minha fantasia necessitava que eu estivesse sem sutiã, o que é muito válido pra uma pessoa que se comporta, mas pra mim, usar uma roupa dessas com bebida pra todo lado é com certeza uma péssima ideia. Tudo ao meu redor dentro do carro rodava como nunca. 

A única coisa que eu tinha certeza naquele momento era de que meus peitos estava pra fora e que o motorista não parava de olhar pra eles. Cada buraco que o carro passava fazia minhas tetas pularem como se estivesse num carnaval em Salvador, o safado do uber saía catando cada lugar que passaria só pra que pudesse ver meus peitos saltando pra fora da blusa. 

Naquele momento senti tanto tesão que até esqueci que estava bêbada, eu estava tão doida pra ser tocada dentro daquele carro que até abri mais as minhas pernas pra que o motorista pudesse ver. Fiquei enganchada no cinto de segurança e ele teve que parar o carro pra me ajudar ou eu me enforcaria de tanto que me enrolei, gentilmente ele foi me libertando. 

Quando terminou eu o agradeci com um abraço, ele retribuiu colocando sua mão em cima dos meus peitos e dando uma apertadinha, olhei pra baixo e vi seu pau marcando sua calça de trabalho. Ver que um homem ficou excitado por você é a coisa mais deliciosa do mundo, naquela hora a minha buceta ficou molhadinha e nem era mais por causa da bebida. 

Era incontrolável a vontade que eu tinha de tocar no meu grelinho ali dentro do carro. Não sou expert em fazer coisas escondidas e ele acabou percebendo que eu estava fazendo algo por baixo da roupa. Ele fazia o possível para trocar de marcha toda hora e acabar pegando na minha coxa. Por um breve instante eu acabei cochilando, não sei o que me deu, acho que foi por causa da bebida, mas quando dei por mim eu não encontrei mais a minha amiga dentro do carro. 

Eu estava sozinha com o motorista do uber, numa rua praticamente deserta. O carro estava parado, literalmente estacionado e eu não fazia ideia de onde estávamos, achei por bem perguntar a ele, mas algo estava fazendo a minha buceta coçar. A escuridão que estava ali não me permitia ver direito e ainda tinha a bebida que estava me fazendo delirar, fiquei me mexendo tentando tirar aquilo de mim mas não resolveu. 

Ele deixou minha pepeca completamente encharcada depois de me bolinar.

Resolvi colocar minha mão dentro da minha calcinha e puxar o que estava me incomodando, porém o que estava bolinando minha pepeca não queria sair dali. Olhei pro lado e vi que o motorista me encarava com um olhar de cachorro faminto, segui seu braço até chegar em sua mão e descobri que era ele me bolinando. Tenho um fraco absurdo por dedadas na pepeca, perguntei a quanto tempo estávamos ali e ele respondeu que não o suficiente. 

Eu não entendi o que aquilo significava e perguntei o porque. Bem devagarinho ele pegou minha mão e colocou em cima do seu pau, porra...parecia a marcha do carro de tão grossa, quando senti a grossura eu dei uma piscada na minha xoxota tão forte que fez ele sentir com o dedo que estava dentro de mim. 

O safado me olhou como se tivesse ganho na loteria e perguntou se eu tinha gostado de sentir a grossura da pica que eu teria que cavalgar gostoso. Continuei caladinha só sentindo ele com a pica dura, a cabeça da sua piroca estava quase esporrando sua baba na minha mão. 

Senti suas veias latejarem nos meus dedos até que o uber safado não aguentou mais e me colocou pra mamar sua pica. Mal conseguia colocar na boca a cabeça da rola, parecia que nunca iria passar tudo, meu queixo doía tentando abocanhar tudo, mas ele não se importava muito. Ele era o tipo de homem que passava o dia inteiro trabalhando, eu conseguia sentir o cheiro de um longo dia de trabalho na sua pica, era um cheiro de macho que me deixava doida. 

Suas bolas batiam no meu queixo e ele nem fazia tanta força. Mamei aquele safado até que ele me colocou sentada no banco de pernas abertas, virada pro banco do motorista eu estava toda arreganhada esperando o que ele iria fazer em seguida. Senti quando ele se inclinou e alcançou minha buceta com sua língua. 

Um jeito molhado de me chupar me deixava com muito tesão, quase fechei minhas pernas em sua cabeça, mas ele me segurou forçando minhas pernas continuarem abertas. Ele babava tanto minha pepeca que eu senti escorrer pela minha bunda. O uber começou a subir suas mãos tentando alcançar meus peitos, seus lábios vieram logo em seguida seguindo o caminho dos seus dedos, cada chupada que ele dava em minhas tetas fazia o biquinho do meu peito ficar mais duro. 

Eu não sabia mais se meu tesão era real ou apenas fruto da minha embriaguez. Eu tava viajando sentindo ele me chupar inteira quando do nada percebi que ele estava tentando me penetrar. Aquela jeba enorme estava esfolando minha buceta, mal tinha passado a cabeça do seu pau e eu já sentia uma dor absurda, pensei que ele iria esfolar toda minha pepeca. 

Sem perder tempo ele enfiou sua piroca de vez dentro de mim me fazendo tremer de tanta dor.

Pedi que fosse devagar mas ele não me escutou, meteu de vez dentro de mim que por uns minutos me deixou desacordada. Quando acordei ele ainda me comia, a luz do carro estava ligada e eu percebi o quão minha pepeca estava larga. Já não doía tanto, eu apertava seu pau dentro de mim enquanto ele me comia, sentia gostoso ele dentro de mim e acabei gozando em seu pau. 

Meu melzinho começou a escorrer na sua pica, quando ele sentiu aquilo ele me chamou de putinha e começou a despejar seu leite dentro de mim, cada jato de porra parecia que ele estava mijando dentro. Quando finalmente tirou seu pau da minha buceta eu vi o estrago, mal conseguia fechar minha pepeca, seu leite escorria dentro de mim feito um rio, eu não sentia tanta dor, mas latejava tanto que eu conseguia ver. 

Coloquei minha saia no lugar e percebi que estávamos indo pro endereço da minha casa, ele me deixou na porta e não me devolveu minha calcinha, tive que entrar em casa soltando porra pela pepeca arregaçada. 

By - Sheillaxv

Comentários