Dedada escondido do primo

Putaria em família é sempre mais gostoso.

sexo com primo

``Moleque macho não presta`` e ``fecha as pernas quando sentar`` era a coisa que eu mais escutava quando era mais nova. Cresci ouvindo minha mãe dizer essas coisas. 

Ela morria de medo de algum menino fazer alguma coisa maldosa comigo, nunca entendi esse medo dela até descobrir que quando mais nova ela havia sido flagrada deixando seu primo acariciar sua buceta. 

O tio dela deu o flagra e saiu na maior boca grande espalhando pra todo mundo da família que minha mãe estava nua da cintura pra baixo com as pernas abertas deixando o primo Guto chupar sua buceta. Nunca contei pra minha mãe que eu descobri essa história depois de ouvir uma conversa das minhas tias. 

O pessoal de casa guardava isso a 7 chaves, mas ainda assim dava pra perceber o modo diferente que mamãe era tratada. Minha vó, uma mulher muito severa, jogava na cara; de maneira relativamente sutil que a igreja purificaria os pecados que minha mãe havia cometido na infância. 

Acho que por esse auê todo o primo Guto sempre foi muito distante. Quase não nos víamos e quando acontecia esse milagre era por no máximo um final de semana em que a família inteira ia passar no sítio de vovó. 

O primo Guto tem quase a mesma idade que minha mãe, pouca coisa mais velho que ela. Depois que descobri a relação deles dois eu passei a olhar diferente pra ele, talvez até com a mesma diferença que ele olhava pra mim quando os boatos ainda eram desconhecidos

Quando criança, nunca entendi o motivo dele me tratar diferentes dos outros meninos e meninas da família, mas aí eu cresci e me liguei que as rabadas de olho que o primo dava em mim não era de raiva ou coisa parecida, tava mais pra desejo ou tesão.  

Sempre me diziam que eu era muito parecida com a minha mãe, no jeito e nas formas físicas, isso chamava atenção dos priminhos quando eu era pequena e isso assustava muito minha mãe, eu ficava sempre presa e o máximo possível de tempo longe deles. 

Minha mãe evitava que eu fosse brincar até tarde com eles e eu só tinha permissão pra fazer isso durante o dia; com tudo extremamente claro e sob sua visão. Um dia o primo Guto me pegou chorando no quarto por causa da prisão emocional que minha mãe havia me colocado dentro, eu devia ter uns 13 ou 14 anos nessa época e foi a primeira vez que tivemos um contato mais próximo. 

Ele me chamou pra sentar em seu colo enquanto enxugava minhas lágrimas, foi estranho sentar no colo de um homem que usava apenas sunga, mas ele era da família...que mal tinha? Senti seu pau em minha bunda, o primo Guto mexia minha cintura em cima dele e me fazia ir pra frente e pra trás. 

Na época eu julgava tudo normal, até cheguei a perguntar porque ele fazia aquilo, mas ele me respondeu dizendo que sua perna estava coçando por causa do meu short. Inocentemente perguntei se ele queria que eu tirasse e me chamando de amorzinho o primo respondeu que queria, mas fomos interrompidos pela minha mãe que me chamava na sala. 

Não aconteceu nada nessa época, não ficamos mais sozinhos a esse ponto e eu acho que faltou coragem por parte do primo. No entanto, voltamos a nos encontrar no enterro de uma outra prima da minha mãe. Já havia passado bastante tempo desde aquele dia em que estive em seu colo, eu estava maior...mais velha e com um fogo no rabo que mal dava pra controlar. 

Assim que eu bati o olho no primo Guto eu lembrei do nosso dia especial, nessa época eu já sabia da história dele com minha mãe e por causa do tempo que eu tava sem transar passei belas noite tocando uma siririca pensando no primo Guto chupando a pepeca da minha mãe. 

Minha buceta ficava molhada pensando no cacete e na língua dele.

Logo depois passei a me masturbar pensando nele me chupando e foi aí que a desgraça toda aconteceu...Eu já estava mais solta pela minha mãe, parecia que a maldição ou a loucura dela já havia passado e eu fiquei livre. Escolhi não ir pro enterro da prima de minha mãe e por coincidência o primo Guto também iria ficar. 

Na casa de vovó estava apenas 4 pessoas: a minha vó que já bem debilitada e não poderia ir e o tio que flagrou a putaria da minha mãe com o primo Guto. Por sorte ou por obra do demo; aquele mesmo tio veio a ficar cego por conta de um acidente de trabalho. Fiquei no quarto vendo netflix quando o primo Guto apareceu com um balde de pipoca doce e pedindo abrigo longe daqueles dois velhos gagas na sala. 

Rindo eu o chamei para se deitar ao meu lado na cama e afastei deixando um espaço pra ele. A pipoca encharcada de leite condensado acabou sujando bem perto das minhas tetas, eu usava uma roupa de dormir folgada e isso deixava minhas tetas relativamente expostas, só cobria mesmo o biquinho e isso quando não estava durinho do frio. 

O primo Guto foi o primeiro a ver que eu estava suja de leite condensado e virou todo safado se oferecendo para limpar, não vi mal algum, afinal...família, né? Mas percebi que logo após isso um volume estava crescendo no seu calção de dormir. A cueca mais folgada que o short mal deu pra cobrir o mastro que estava se erguendo por baixo da sua roupa. 

Eu não conseguia parar de olhar aquilo, era tão viciante...parei de prestar atenção na TV por uns instantes e fui  flagrada por ele babando pela sua pica. Bem discreto ele perguntou se eu tinha gostado, pensei que tivesse falando do filme e concordei, percebi que não era isso quando ele falou que eu poderia lamber se eu quisesse. 

Olhei pra ele com cara de surpresa, tinha leite condensado pela minha boca toda e logo ele concluiu dizendo que dali saía leitinho também e apontou pra sua piroca dura. Eu deveria sair dali naquela hora ou quem sabe reclamar com ele, mas fiz o mesmo que minha mãe há um tempo e aceitei as carícias que logo em seguida o primo Guto começou a fazer em mim. 

Já que com a mãe não deu certo; o primo resolveu comer a filha.

Pra facilitar suas dedadas em minha pepeca eu abri mais as pernas e segurei minha calcinha de lado pra sentir seus dedos no meu grelo, a porta estava entreaberta e conseguíamos ouvir minha vó e o tio conversando alguma besteira na sala. Não demorou muito pro primo se aconchegar no meio das minhas pernas e cair de boca na minha pepeca. 

Fechei meu olhos sentindo ele sugar cada pedacinho da minha buceta. Ele parecia faminto por xoxota e quanto mais ele chupava mais eu me derretia em sua boca, eu estava prestes a gozar quando ouvi o tio chamando na porta do quarto, era o mesmo que havia flagrado minha mãe na mesma posição que eu estava naquele momento, gelei na hora, mas pela falta de reação do meu tio percebi que era inútil o meu medo daquele cegueta. 

Continuei arreganhada pro primo Guto que mesmo depois de perceber a presença do tio continuou me chupando, ele estava lá pra perguntar se eu sabia que horas o pessoal chegaria do enterro, com a voz trêmula respondi que já já chegariam. 

Cambaleando e com uma bengala na mão eu vi o tio voltando pra sala onde estava minha vó. Logo em seguida o primo veio pra cima de mim já com a piroca pra fora e pronto para penetrar minha pepeca, eu já estava molhadinha de tesão e só esperei aquele mastro delicioso e cheio de veias me penetrar gostoso. 

Sua piroca latejava dentro de mim, seu saco cheio de porra batia com força na minha bunda. Meu melzinho escorria pelo meu cu cada vez que ele entrava e saía de dentro de mim, então eu gozei gostoso enquanto o primo Guto chupava meus peitos e metia sua piroca dentro da minha pepeca. 

Pouco tempo depois ele também anunciou que iria gozar e veio pra cima de mim me fazendo abrir bem minha boca pra receber seu jato de porra quentinho. Ele gozou litros da minha boca e me fez engolir seu leitinho, escorreu um pouco pelos meus peitos e ele me fez passar o dedo e colocar na boca assim como eu havia feito com o leite condensado. 

Quando a família começou a chegar do enterro o primo voltou correndo pro seu quarto, porém mal deu tempo de limpar tudo, ainda com a blusa suja de porra eu encontrei com minha mãe quando eu estava saindo do quarto, ela ficou perguntando o que era aquilo e gaguejando um pouco tentava explicar que era leite condensado da pipoca, acho que deixei mamãe desconfiada, porém...aparentemente, realizei o que ela havia começado uns tempos atrás.

By - Sheillaxv

Comentários

Postar um comentário