O conto erótico da quarentena

Já faz um tempo que eu simplesmente cansei de ficar em casa, tava prestes a explodir e tive que dar uma volta pelo condomínio para respirar ar fresco. Eu quase nunca costumo sair assim pra rodar por aqui, mas toda vez que vou pro lado de fora eu encontro o safadinho do zelador desse prédio. 

Resolvi então contar nesse conto erótico como eu resolvi as coisas entre a gente. Já fazia um tempinho que meu namorado não aparecia na minha casa por causa da quarentena, eu tinha que aliviar meu tesão sozinha então ficava bastante tempo lendo contos eróticos e me masturbando, não sou muito fã de vídeos pornô porque não consigo me excitar muito. 

Enfim, eu tava tocando siririca umas 3 vezes por dia ou mais, tava maltratando bastante minha xoxota. Nessa última semana eu disse que daria um basta nesse vício e desci para dar uma volta pelo estacionamento, já era noite quando eu encontrei meu zelador preferido limpando o estacionamento dos fundos, eu o cumprimentei de longe e comecei a puxar assunto pra ver no que dava. 

Ele sempre muito gentil comigo se aproximou de mim elogiando meu sorriso, antes que eu pudesse agradecer ele perguntou se eu tinha namorado. Instintivamente eu respondi que não, sei que foi errado dizer isso, mas eu tava com tanto tesão acumulado que respondi sem nem pensar direito. 

Depois de negar meu relacionamento eu perguntei seu nome; quando ele respondeu que era Maurício eu fiquei chamando ele de Mau Mau só pra perturbar um pouquinho. Rindo ele olhou pros lados tentando se certificar de que não teria ninguém ao redor e se aproximou de mim como se quisesse me beijar; eu fui chegando pra trás e acabei encostando numa parede, ali eu já não tinha outra saída e tive que escolher entre meu namorado e o desejo da minha xana que naquele momento já estava escorrendo. 

Minha péssima e deliciosa escolha resultou nesse conto erótico pro meu chifrudinho, agarrada no pescoço do meu zelador eu beijei sua boca, tinha esquecido até do coroninha. Chupando meus lábios ele tirou suas luvas e começou a apertar minha bunda, escondido ali ele tentava puxar meu short pro lado pra ter acesso a minha buceta. 

Ele forçou tanto meu short que acabou rasgando; virou uma saia e seus dedos logo alcançaram minha xana encharcada. Enquanto ele dedava minha xota eu tentava convencer que ali não era um bom lugar; Maurício pedia pra gente ficar só mais um pouquinho, sua calça tinha um volume absurdo de tão duro que seu pau estava, ele começou a falar dos dias que me encontrava no corredor de sainha curta e ele ficava doido pra meter o dedo em mim. 

Fui puxando ele quase tropeçando pelos carros e finalmente a gente chegou no meu bloco onde eu consegui levá-lo pro meu apartamento. Eu estava sozinha naquele dia e só tranquei a porta antes dele me jogar em cima do sofá e tirar o resto da minha roupa. 

Ele tinha passado o dia inteiro trabalhando e tinha um cheiro forte de suor, quando ele começou a tirar sua roupa e eu vi o tamanho daquela piroca babando eu até esqueci do banho. Caí de boca na sua pica; aquele cheiro de macho que tinha trabalhado o dia inteiro invadia minha boca junto com aquela jeba cabeçuda, ele babava tanto que eu até achei que já era seu leitinho. 

Quando eu ia perguntar se ele tinha gozado eu o senti me puxando e me colocando de 4. Metendo devagarinho o Mau Mau afrouxava minha bucetinha em cada estocada que dava em mim, de primeira parecia que aquela pica não iria acabar mais, quando entrou tudo ele chegou pertinho do meu ouvido e disse que minha buceta estava latejando em seu pau. 

Me comendo com força não demorou muito pra ele me colocar de joelhos e me fazer esperar seu leitinho quente, com uma gozada forte na minha boca ele despejou toda sua porra salgada e me fez engolir tudinho. Depois de me deixar satisfeita e bem alimentada o safadinho do zelador foi embora, logo em seguida meu namorado ligou e eu ainda conversei horrores com ele ainda com minha boca cheia de porra ao redor.
furando quarentena pra transar
By - Sheillaxv 

Comentários