O marido da vizinha me abrigou e me comeu

Esquecer as chaves de casa é sempre uma merda. Você fica se perguntando o quão estúpido é por fazer algo do tipo, mas logo tem que esquecer a merda que acabou de fazer porque precisa procurar abrigo na casa de algum vizinho. 

No meu primeiro dia de trabalho eu estava tão empolgada em começar o serviço que nem me atentei ao mais importante. Às 16 horas da tarde minha mãe ainda estava no trabalho e só chegaria às 20h. Na frente de sua casa estava o Luciano perguntando se eu queria ajuda. 

Claro que aceitei, nem tinha como negar uma ajuda naquele momento. Perguntei por sua esposa assim que coloquei os pés pra dentro de casa, ele me respondeu dizendo que estava no trabalho e eu logo pensei no que as pessoas diriam por me ver entrando na casa de um homem casado sem sua mulher presente, mas se ele não ligava pro falatório do povo; porque eu ligaria?. 

Me aconcheguei sentada no sofá e assistindo a um filminho eu recebi um copo de suco. Luciano sentou ao meu lado me perguntando se meus pais estavam bem. Eu o conhecia desde meus 8 anos de idade, e nessa época eu já tinha 19. Ele praticamente me viu crescer, e não sendo muito abusada; eu mudei bastante desde aquela época. 

Acho que o Luciano percebeu isso, eu sentia seu desconforto em me ter ali ao seu lado. Parecia que ele estava arrependido de ter me oferecido abrigo, suas atitudes indicavam que não me queria ali, mas o volume entre suas pernas não só me queria em sua casa, mas estava louco pra me ter sentada no seu colo. 

Era impossível negar sua ereção, não tinha mais almofadas pra colocar em cima da sua perna. Seu constrangimento era tão nítido quanto seu pau duro, houve um momento em que o Luciano ficou tão sem jeito que não dava mais pra esconder. Pra descontrair daquele clima ele tirou as almofadas de cima da sua perna e mostrou o volume. Olhando pra mim com uma cara de libido ele pediu pra eu olhar pra baixo e ver como eu tinha deixado ele. 

Rindo eu neguei e respondi que ele estava daquele jeito por outro motivo. Seu lado safado logo aflorou; eu nunca tinha visto o Luciano daquele jeito, parecia ser um homem tão certinho. Ele ia pra igreja, tinha duas filhas, casado... um  homem desse não aparenta ser do tipo que trai. 

Mas eu estava ali, ao lado do meu vizinho com o pau extremamente duro, agora ele já alisava  sua pica discretamente e de vez em quando olhava pra mim. Eu tentava desviar o olhar e me fixar em outra coisa, mas quem consegue fazer isso por muito tempo? Rapidinho eu já estava ali focada em sua jeba apontada pra cima. 

Ele percebeu que eu estava olhando demais e perguntou se eu queria tocar, pela minha demora em responder ele apenas guiou minha mão em seu pau. Apertei com carinho na cabecinha e senti meu vizinho gemer pedindo pra que eu apertasse mais forte. Mais soltinha eu enfiei minha mão dentro da sua bermuda e comecei a tocar punheta pra ele, suas roupas atrapalhavam meus movimentos então eu coloquei sua pica pra fora. 

Naquele momento eu já não tinha mais controle do que estava fazendo e só estava seguindo meu fogo no rabo. Com sua pica na minha mão eu o punhetei feito uma vadia, coloquei na boca antes mesmo dele pedir. Estava doida pra sentir o gosto do homem que me viu crescer. 

Com meu boquete o Luciano quase esporrou na minha boca, mas se controlou; ele queria ver minha bucetinha e colocar sua piroca entre minhas pernas. Então eu abaixei minha calça até a altura do joelho e fiquei de 4 empinando o rabo o máximo que podia. 

Bem devagarinho eu senti sua língua percorrendo minha buceta, parecia que ele conhecia cada pedacinho da minha xota, ele tinha o mapa do meu ponto g na sua cabeça e me fez gozar em sua boca rapidinho. Minha xota molhada fez o caminho da sua piroca me penetrar, ele meteu de vez e com força, mas eu nem senti dor. 

Aquela pica grossa estava quase torando minha xana e eu não sentia nada além de um prazer absurdo. Parecia que minha buceta queria engolir sua pica. Mudamos de posição e eu comecei a cavalgar em seu pau até gozar gostoso nele pela segunda vez. Logo depois ele esporrou seu leite em mim, não deu nem tempo de descansar a foda e já tivemos que nos recompor pra não levarmos um flagra da sua mulher; a minha querida vizinha.  

vizinha sexo contos

Comentários