Ele me ensinou a chupar com carinho a sua piroca

Sou filha do mato, cresci na fazenda e fui ensinada desde sempre a cuidar dos animais. Sou a caçula e a única fêmea numa casa com 5 machos. Minha mãe morreu quando eu era muito nova e aos 13 anos eu já tinha o dever de satisfazer os meus homens. 

Meu pai teve 3 filhos legítimos contando comigo, os outros dois foram criados com a gente, mas não eram filhos de sangue do meu pai. Ainda assim eu os considerava como meus irmãos. 

Eles eram os mais velhos e por isso eu os tinha como apoio quando acontecia alguma merda. Nos meus 13 anos eles já tinham 18 e 19 anos e eu sempre ia com eles pra tomar banho no tanque aqui perto de casa.


Ninguém nunca viu nenhum problema nisso, sempre julgaram que eles me tratariam como irmã e me protegeriam de tudo, mas nas escondidas as coisas funcionavam de uma maneira completamente diferente. 

Ali na beira daquele tanque o meu irmão mais velho me ensinava a gostar dos animais que tinha ali, não sei como tudo começou, a única lembrança forte que tenho dessa época é de quando pela primeira vez o meu irmão mais velho colocou seu pau pra fora e me disse que se eu beijasse bastante ele viraria uma cobra. 


Eu toda inocente e da roça não sabia que aquilo não era certo. Eu ficava doida pra ver sua piroca virando cobra então eu sentava entre suas pernas e esperava ele colocar a sua pica pra fora pra que eu pudesse beijar. 

Ele me fazia abrir minha boca toda e colocava bem no fundo. Aprendi a mamar gostoso chupando a piroca deles; enquanto eu chupava, o meu irmão perguntava se o animal que eu mais gostava na roça era cobra e eu respondia que sim. 


Logo em seguida eles riam de mim e continuavam a me bolinar. O mais novo ficava olhando aquilo e demorava um pouquinho pra passar a mão em mim; mas não demorava muito pra eu ter que chupar as duas cobras praticamente ao mesmo tempo. A primeira vez que meu maninho enfiou sua cobra em mim eu já estava com 15 anos. 


Nessa época eu tinha parado de estudar porque era muito longe de casa e meu pai dizia que não tinha necessidade porque eu deveria cuidar dos afazeres de casa. No final do dia quando eu terminava de fazer as tarefas de casa eu ia pra beira do tanque pra me refrescar. 

Meu irmão ia comigo fingindo que era pra me vigiar, mas ali escondidos um pouco mais a fundo dos matos o meu irmão me penetrou pela primeira vez. 


Ele me convenceu a segui-lo pra que eu pudesse sentir uma coisa bem gostosa na minha bucetinha. Eu já havia comentado com ele que eu sentia minha buceta piscar um pouco quando estava chupando sua pica e por causa disso ele me levou até lá; ele usou isso como desculpa pra finalmente me comer. Ali em baixo de um pé de manga o meu irmão tirou toda a parte de baixo da minha roupa.


Fiquei somente com uma blusa surrada em sua frente. Então ele tirou sua pica pra fora e me fez mamar na sua cobra pra ficar bem babada, ele pediu pra eu avisar quando minha xota começasse a piscar e assim eu fiz. Só tava eu e ele ali, estávamos escondidos até do nosso outro irmão que eu costumava mamar também. 


Avisei o momento exato que minha xota piscou e meu irmão me fez levantar. Ele segurou umas das minhas pernas e me encostou no pé de manga. 

Sua pica extremamente dura começou a se aproximar da minha buceta, na hora eu me assustei porque nunca tinha visto aquele movimento antes; ele começou a roçar sua piroca na entradinha e num movimento rápido ele meteu de vez sem dó.


Senti rasgando dentro de mim, e pedi pra ele parar, mas ele não ligou, continuou fazendo um vai e vem dentro de mim até soltar seu jato de porra dentro da minha xoxota virgem inocente

Depois de gozar ele ficou brincando com minha buceta toda melada, ele passava o dedo e me mostrava a quantidade de porra que saía da minha buceta. 


Ele me perguntava se eu tinha gostado e eu não conseguia mentir pra ele e dizer que não. Apesar de ter me assustado com aquilo dentro de mim eu adorei quando senti sua rola latejar no fundo da minha bucetinha. 

Minha buceta piscou até mais rápido quando ele estava me penetrando. Logo em seguida a gente voltou pra casa e como eu ainda estava com porra dentro de mim; na hora que eu andava ficava tudo melado escorregando, mas confesso que adorei aquela sensação. 
incesto contos eróticos
By - Sheillaxv


Comentários