No colinho do instrutor da Auto Escola I Contos Eróticos

Eu tinha 18 aninhos quando comecei a fazer auto escola. Fiquei apaixonada pelo meu instrutor por ele ser muito atencioso. Nos primeiros dias eu não conseguia me concentrar nos pedais e volante ao mesmo tempo, a solução que ele me deu foi me colocar em seu colo pra que eu prestasse atenção em uma coisa de cada vez. 

O Ivan foi meu professor das teóricas também, desde essa época eu já gostava dele por ser muito gentil. Então fui pras aulas práticas e descobri que seria ele; eu não poderia ficar mais feliz que já estava. Tava mega empolgada pra começar, no primeiro dia cheguei super cedo nem me importei dele ter atrasado um pouquinho. 


Fomos pra um terreno sem muita movimentação pra começar as aulas, trocamos de lugar e eu assumi a direção. Logo de cara ele viu que teríamos um problema por causa da minha dificuldade de fazer as duas coisas ao mesmo tempo. Ficamos insistindo por uma aula inteira. Apesar dele me explicar direitinho ainda assim eu não estava saindo do lugar. 


Foi por causa disso que meu instrutor sugeriu que eu sentasse em seu colo pra que pudesse só guiar o carro, e só depois apreender a controlar os pedais. Na hora pareceu que ele só queria me ajudar. Aceitei de cara, nem imaginei que poderia ser por segundas intenções. Ele parecia ser tão gentil e cuidadoso com seus alunos. 


Ele veio pro banco do motorista e sentou, logo depois eu estava sentadinha em seu colo. Ele pedia pra eu prestar atenção na rua e ter cuidado. Ele disse que a gente precisava ir pra um lugar com menos gente ainda pra que eu não atropelasse ninguém. A gente foi pra um lugar bem abandonado, tinha muito buraco e eu reclamei. 


A única coisa que ele me respondia era que eu deveria desviar das crateras no chão  e tomar cuidado com os postes. Ele começou a acelerar o carro e eu nem pude mais reclamar da situação pra não perder a concentração da pista. O carro balançava muito por causa dos buracos, em cima do seu colo eu ficava quicando. 


Eu não queria pular tanto em cima dele e por isso cravava minhas pernas no banco pra ficar mais colada com ele. Isso acabou me deixando em um mato sem cachorro porque eu comecei a sentir seu pau ficando duro na minha bunda. Quanto mais eu me grudava a ele mais firme eu sentia sua piroca em mim. 


Quando decidi fazer menos força eu comecei a pular em cima dele por causa dos buracos. Eu pedia pra ele parar pra que eu pudesse me consertar, mas ele não me ouvia e até acelerava mais um pouco. A essa altura ele já segurava minha cintura com a justificativa de que era pra ele não cair. O safado fazia questão de acelerar nos buracos só pra me sentir pulando em cima dele. 


Do nada ele parou o carro, estávamos no meio da pista. Não tinha um pé de gente naquele lugar, ao nosso redor só tinha mato. Ele olhou pra mim com um olhar safado e pediu pra eu chegar mais pra frente que ele queria me mostrar algo. Fiz o que ele pediu e fiquei esperando, olhei pra baixo e vi ele abrindo o zíper da sua calça e colocando pra fora sua piroca extremamente dura e babando. 


Confesso que fiquei com vontade de tocar em sua cabecinha e colocar na boca, mas aquilo era errado e eu o mandei guardar. Ele insistia pra que eu tocasse só um pouquinho. Ele enfiava as mãos dele dentro da minha blusa enquanto eu tentava desviar da sua piroca e agora tinha sua mão também. Tentei abrir a porta do carro e sair, mas ele me abraçou e ficou mais complicado. 


Num movimento rápido ele conseguiu baixar minha calça até altura da minha bunda. Eu me mexia tanto que logo a calça desceu mais ainda até meu joelho. Eu tava completamente nua pra ele que logo encontrou o caminho da minha xota e começou a me dedar. Ele me colocava em cima do seu pau e mexia minha cintura me fazendo rebolar em cima dele.


A baba da sua piroca me deixou toda molhadinha. Sem camisinha mesmo ele forçou na entrada da minha xana e me fez sentar de vez. Sua piroca entrou em mim deslizando que nem quiabo. Eu tava muito molhada, de vez em quando ele acelerava o carro só pra me fazer pular mais. Ele me comia apertando meus seios e falando safadeza no meu ouvido. 


Ele me chamava de putinha por eu ter aceitado ficar em seu colo. Eu tentava negar dizendo que eu não sabia que aquilo aconteceria, mas ele insistia em dizer que eu tava provocando. Ele carregava uma aliança no seu dedo e eu mostrava sempre para ele parar, mas não adiantava. Meu instrutor saiu do carro e me colocou de 4 no banco. 


Pelo lado de fora ele me comeu até sentir seu leite vindo. Quando estava prestes a gozar ele parou de meter em minha buceta e esporrou sua gala toda em cima da minha bunda. Vestimos a roupa e minutos depois o alarme tocou pra nos alertar que a aula tinha acabado. 
contos eroticos
By - Sheillaxv

Comentários