Novinha inocente liberando a bucetinha no celeiro I Contos Eróticos

Sou uma garota de roça, fui criada desde criança indo com meu avô de cavalo pra marcar o gado dele. Na verdade eu nunca fui de ajudar muito, eu vivia era brincando com o filho do caseiro que tinha a mesma idade que eu. A gente passava o dia inteiro pegando picula naquele lugar, meu avô amava me ver brincando daquele jeito. 

Eu era bem inocente ainda então quando meu amiguinho me chamou pra ir no celeiro brincar de uma coisa nova eu simplesmente fui com ele. O celeiro ficava nos fundos, estava meio abandonado então tinha muita tralha lá e ninguém costumava ir assim. Foi lá que eu dei meu primeiro beijinho na boca de língua. 


Era meio babado e ele me pegava com força pela minha cintura, sua pica dura fazia um volume na sua bermuda e eu sentia sua piroca me cutucando por cima do meu vestido. Na primeira vez eu tentei passar minha mão pra ver o que era e acho que por isso ele deu um gemidinho safado. 


Meio sem jeito o meu amiguinho tentava reproduzir em mim tudo que ele assistia escondido nas pornografias. Ele apertava minha bunda com força e tentava insistentemente tocar minha bucetinha. De tanta insistência eu acabei cedendo, ajudei ele a tirar minha blusa pra que ele pudesse chupar meu peitos. Quando ele fazia aquilo eu ficava bem arrepiada, eu acho que ficava daquele jeito por estar gostando. 


Eu ficava de pé enquanto ele se ajoelhava na minha frente e afastava minha calcinha pro lado, eu usava um vestido que eu mesma segurava pro meu amiguinho ter mais facilidade. Era tão gostoso que quando ele terminava de chupar eu ficava sentindo sua língua passando no meu grelo mesmo ele já tendo terminado. Era a mesma sensação de estar na água da praia depois que saía do mar. 


Depois disso ele me pedia pra ficar de joelhos, ele tirava minha calcinha e abria bem minha bunda pra encaixar a sua pica, ele não metia, mas ficava roçando a cabeça da sua piroca no meu cuzinho. A primeira vez que ele gozou em mim eu senti algo melado e quente escorrendo na minha bunda e logo pensei que ele tivesse mijado, fiquei brava e saí correndo, esqueci até minha calcinha. 


No dias seguintes ele já tinha me explicado que seu leite era porque ele tava muito excitado, daí em diante eu parei de brigar. Uma vez eu pedi pra ver como era e ele gozou no meu rosto. Eu queria na mão, mas ele disse que só podia se fosse no rosto, fiquei com a cara toda suja de porra. Ele passou o dedo numa parte que tava suja; melou seu dedo e pediu pra eu lamber pra sentir o gosto, eu fiz isso, mas acabei cuspindo. 


Por um bom tempo ele se tornou meu namoradinho, quando o celeiro estava fechado a gente ia pro pé de manga pra ficar se chupando ali, ficamos nessa putaria até seu pai ser demitido, desde então eu nunca mais o vi, mas ainda lembro das nossas sacanagens e me masturbo lembrando das mamadas que eu dava em seu pau.  

sexo no celeiro hentai
By - Sheillaxv

Comentários