Meu irmão comendo a ceguinha da rua no pique esconde


Marília morava aqui perto de casa. Era uma das poucas crianças que eu tinha permissão de brincar na rua. Ela era meio ceguinha por causa de uns problemas que ela teve ao nascer, não enxergava quase nada, mas ainda assim era toda pra frente. 


Meu irmão mais velho costumava dizer que o que ela não tinha de visão tinha de putinha e eu nunca entendi até encontrá-lo fazendo umas coisas com ela. Meu irmão mais velho sempre foi muito safado, as amigas da minha idade sempre chegavam na minha casa se atirando pra cima dele, eu nunca deixei que elas chegassem muito perto dele porque meu irmão era muito mais velho e eu dizia que éramos crianças pra elas fazerem isso. 


Era um dia de quarta-feira quando tudo aconteceu. Eu tava voltando do colégio umas 17 horas. Me chamaram pra brincar na rua de pique esconde e assim que cheguei em casa troquei a roupa correndo e fui ao encontro dos meus amigos. Pro pique esconde era quase todo mundo da rua tudo misturado, até  os adultos apareciam pra brincar; inclusive meu irmão.


Eu sempre gostei de me esconder na laje da casa do vizinho por causa da visão que era ótima e ainda dava pra correr. Eu ficava atrás de uma lona preta e por isso ninguém conseguia me ver. Tinha muita gente brincando então eu tava ali fazia uns bons 10 minutos; eu escutei um barulho de pessoas vindo na direção que eu estava, gelei na hora porque pensei que meu esconderijo tinha sido descoberto.



Mas olhei direitinho e vi que era meu irmão, ele trazia segurando pelas mãos a ceguinha da rua pra se esconder junto com ele atrás da caixa d`agua. Meu irmão encostou a ceguinha no canto e ficaram abaixados. Eu conseguia ver tudo o que tava acontecendo. A ceguinha devia ter uns 14 anos e tava ali escondida com meu irmão de quase 19. Eu logo pensei que aquilo era errado, mas não por causa da idade e sim por ele ser homem, minha mãe dizia que moleque macho não era confiável. 


Achei que eles ficariam só escondidos, mas meu irmão começou a beijar a boca da ceguinha e ela correspondia. Ele mostrava a ela como deveria beijar e ela o seguia. Meu irmão enfiava sua língua dentro da boca dela e ficava passeando sua mão pelo corpo da menina. Ela meio sem jeito deixava ele fazer aquelas coisas. Tava um silêncio total e eu escutava até o barulhinho do beijo. Eles ficavam sussurrando ali abaixado enquanto ele enfiava a mão dentro da blusa da ceguinha. 


Ele guiava a mão dela pra ficar em cima do seu pau e ela apertava a piroca dele. De vez em quando ele se levantava pra ter certeza que ninguém iria flagrar os dois. Logo em seguida ele voltava a tocar ela. Meu irmão sentou no chão e fez ela sentar em seu colo. De longe eu conseguia ver o pau duro no seu short. Ele fazia ela ficar bem em cima e pedia pra menina rebolar ali. 


O que mais me assustava era que ela aceitava aquilo e fazia tudo o que ele pedia. De um jeito persuasivo ele insistia pra ela deixar seus peitos de fora e meu irmão acabou tirando sua blusa. Ele ficava chupando ela e voltava a beijar sua boca em seguida. Eu fiquei com um pouco de vontade de tocar minha buceta vendo aquilo, eu ainda tava descobrindo as sensações da minha buceta então quando eu me tocava eu tinha que deitar  no chão pra ficar mais a vontade. 



Vendo a cena da ceguinha inocente da rua sentada na piroca do meu irmão eu não aguentei e deitei naquele chão sujo de laje, enfiei minha mão dentro da minha calcinha e fiquei vendo meu maninho colocando a ceguinha pra mamar em seu pau. Sua pica tinha um cabeção e tava bem dura, ela colocava na boca e as vezes mordia, mas quando fazia isso ele dava uns tapas de leve em sua cara.


O pique ainda não tinha sido batido e geral tava procurando a gente; enquanto isso meu irmão colocou ela de 4 e baixou sua calcinha até deixar o rabo bem exposto pra ele. Ela gemia enquanto o maninho passeava a sua língua na xoxota dela. Ela gemia de um jeito diferente dos pornôs que eu assistia e aquilo acabou me dando muito tesão. Meu corpo começou a estremer e meu grelinho piscava, gozei ali mesmo naquele chão imundo. 



Do outro lado meu irmão mirava sua pica atrás da ceguinha e forçava na entrada da sua buceta. Eu achei que ele só iria brincar ali atrás, mas ele acabou enfiando de vez na menina. Ela ia pra frente e pra trás nas estocadas dele. Meu irmão só fez colocar a rola pra fora enquanto a ceguinha estava praticamente nua ali pra ele. 


Ele metia cada vez mais forte dentro dela até sentir vontade de gozar, naquele momento meu irmão fez a mesma coisa que eu via nos vídeos de sexo: ele tirou sua pica de dentro de soltou seu leitinho todo na bunda da cega putinha. Meu irmão em seguida  guardou seu pau e desceu sem ajudar a ceguinha a se vestir. 


Ela levou um tempinho pra achar sua calcinha e ainda vestiu do lado errado. Depois disso eu passei a seguir eles dois sempre que a gente brincava, meu irmão nunca perdia oportunidade de comer aquela menina e sempre ia embora sem ajudar depois de liberar seu jato de porra nela. 
quadrinhos eróticos flagra
By - Sheillaxv

Comentários