Fui iniciada ao sexo numa escola militar I Contos Eróticos

Passei meu ensino fundamental numa escola militar. Era sonho do meu pai ver seus filhos se formando com educação militar assim como ele. Todo orgulhoso ele ia me levar e buscar na porta da escola, enchia a boca pra falar que eu devia agradecer por estudar lá, mas ele não contava que nas escondidas abusaram da filhinha inocente dele. 


Era o meu primeiro ano, eu não conhecia ninguém e não me adaptava tão rápido. Um professor sempre muito rígido abriu exceção pra mim, claro que com segundas intenções, mas até então eu não sabia e como era bem novinha eu achava que era um ato de caridade por pedido do meu pai que durante a reunião pediu pra que cuidassem bem do bebê dele. 


Logo quando eu chegava lá na primeira hora da manhã a gente passava por uma espécie de revista, todos entravam dentro de uma sala pra fazer. Como eu era nova nessa vida eu não sabia que tinha distinção que homens fariam revista em meninos e as mulheres nas meninas. Nos conselhos matinais que meu professor rígido fazia questão de me dar, ele me levava pra uma sala reservada no fundos.


Ele dizia que faria uma segunda revista em mim, eu achei que fosse rotina então eu o seguia. Era uma sala escura com cheiro ruim de coisa velha, lá ele ligou uma luz que malmente iluminava o ambiente e me pediu pra eu ir tirando a roupa. Fiquei só de calcinha e sutiã pra ele, mas logo ele exigiu que eu tirasse; pra que fosse feita a revista íntima. 


Nunca tinham feito isso comigo lá, eu pensei em indagar, mas fui surpreendida com ameaças de ter meu nome no caderno de punições e eu não queria dar esse desgosto pro meu papai. Fiquei completamente nua em sua frente e fui forçada a tocar os dedos dos pés sem dobrar o joelho. Minha bucetinha lisinha ficou exposta pra ele; então se sentando no chão; ele ficou rosto colado na minha xana. 


Ele falava que precisava enfiar algo ali e eu não podia me mexer pra não atrapalhar, fiquei esperando ele enfiar, mas ao invés disso ele ficava passando algo no meu grelo, era molhado e molengo, tentei espiar pelo meio das minhas pernas e vi que era sua língua passando na minha xota. Me assustei e acabei caindo no chão, foi aí que ele começou a brigar comigo dizendo que eu tava questionando ordens superiores. 


Como punição ele me deixou deitada naquele chão sujo e me colocou pra abrir as pernas, ele dizia que aquilo era pra eu nunca mais ser malcriada e que trocaria umazinha pra retirar meu nome do caderno, eu aceitei, fiquei caladinha enquanto aquele pervertido chupava minha buceta. Ele mordiscava meu grelo e era até gostosinho, ele passava o dedo na entrada da minha xota e me mostrava o quanto eu era safada por ficar molhada na língua dele. 


Ele queria que eu gozasse em sua boca e me chupou até me ver contraindo meu corpo com um orgasmo intenso, foi nesse momento que ele parou e me fez mamar seu pau. Ele era bem veiudo, parecia que ia estourar, ele pedia pra eu ver o quão excitado eu deixava ele e passava sua piroca nos meus lábios, ele gozou na minha cara sem eu nem chupar ele direito. Nesse dia ele não me comeu, mas nos dias seguintes eu tinha que passar lá todos os dias pra cumprir metas. 
contos eroticos
By - Sheillaxv

Comentários