Meu pai usava sua pica pra medir meu grelinho crescendo

Um homem sempre tem necessidades. Principalmente um homem viril como meu pai era. Um tempo antes de sua separação eu sempre espiava enquanto ele trepava com minha mãe, eu ficava escondida ouvindo e só quando eles terminavam eu ia pra minha cama, acho que toda criança já fez isso alguma vez na vida.

Eu já era meio grandinha quando meus pais se separaram. Minha mãe foi morar em outro estado e pra eu não ficar muito sozinha de vez em quando meu pai deixava alguma priminha dormir em nossa casa. O meu pai desde a separação não havia tido nenhuma relação com outra mulher. Eu sabia disso porque escutava ele comentando com seus amigos. 


Eu tive minha primeira menstruação e o meu pai me ajudou, eu não sabia o que fazer quando aconteceu então no meio da noite eu fui até a cama de meu pai e mostrei a ele minha buceta sangrando, ele se assustou na hora, mas não tenho certeza se o susto foi por causa da minha buceta sangrando ou o fato de eu estar em cima de sua cama toda arreganhada sem calcinha. 


Desde esse dia meu pai passou a agir de uma forma estranha comigo. Ele passou a sempre pedir pra ver minha buceta. Ele dizia que precisava ver se tava crescendo direitinho. Eu devia ter uns 11 anos nessa época e era meu pai que pedia isso, eu confiava nele de olhos fechados. Mas ele pedia pra eu não contar pra ninguém que era pros outros não acharem estranho aquilo que ele fazia. 


Meu pai me deitava na cama sem roupa, ele abria minhas pernas e ficava falando coisas que na época eu não entendia. Ele dizia que minha xana estava crescendo direitinho e que faltava pouco pra eu virar mocinha, eu ficava doida pra virar uma mocinha logo e as vezes quem pedia pra ele ver o tamanho era eu. Ele usava uma fita pra medir; ele pedia pra eu não olhar pra baixo pra não atrapalhar e ficava passando algo molhado no meu grelinho. 


Ele usava sua língua e pedia pra eu não olhar pra que eu não visse ele fazendo aquilo comigo. Meu pai achava que eu não sabia que ele me chupava igual ele fazia com minha mãe. Na cabeça dele eu ainda era inocente e não queria tirar isso de mim. Um dia eu pedi pro meu pai comparar com o tamanho do negócio dele.


Meu pai respondeu dizendo que era diferente e eu pedi pra ele mostrar. Ele ficou meio receoso e eu insisti. Coloquei minha mão em seu pau por cima do seu calção. Fiquei apertando a cabecinha do seu pau; meu pai de olhos fechados pedia pra eu parar de fazer aquilo que era errado, eu respondia que eu tava medindo pra ver se era grande. 


Eu mexi tanto que a cueca acabou saindo do lugar e a cabecinha da piroca apareceu, eu fiquei tocando e mostrando pro meu pai que era parecido com meu grelinho. Ele só concordava comigo e mordia os lábios, mas não conseguia olhar. Eu disse pro meu pai que o meu ainda era maior, nesse momento meu pai colocou a sua pica toda pra fora. Eu fiquei olhando aquilo e comecei a apalpar sua jeba por inteiro. 


Fiz menção de pegar a fita pra medir, mas ele me disse que só dava pra medir o pau dele se eu colocasse em cima do meu grelinho. Tentei deixar minha xana pertinho da sua piroca, mas eu ficava cansada rápido demais por causa da posição ruim. Meu pai só observava o que eu tava tentando fazer e pediu pra eu ficar deitada novamente que ele iria medir direitinho. Abri as pernas pro meu pai e ele ficou de joelhos na cama. 


Quase deitando em cima de mim ele começou a roçar seu pau no meu grelo, ele passou um tempinho fazendo aquilo e eu perguntei qual era maior, meu pai respondeu que eu tinha que esperar mais pra ter certeza, disse que só terminava de medir quando saía um leitinho branco do seu pau. Seu leite não demorou muito pra sair dali, eu fiquei toda melecada e meu pai saiu de cima de mim falando que meu grelinho tava ficando bem grandinho.


Todo dia eu pedia pro meu pai ver o tamanho e ele fazia. Mesmo ele pedindo pra eu não contar pra ninguém eu acabei comentando com uma prima que estudava comigo. Ela era da minha idade e era uma das poucas meninas que meu pai me deixava andar junto. Um dia eu levei ela pra almoçar na minha casa depois do colégio e no meio do almoço eu disse pro meu pai que minha prima também queria medir o negócio dela. 


Meu pai com uma cara de espanto ficou sem saber o que dizer e até engasgou. Eu disse pro meu pai que minha prima já sabia que não podia contar pra ninguém e que só ficaria entre a gente, mas que ela tava doida pra saber o tamanho que tinha ficado depois que o boi dela chegou. Depois do almoço o meu pai pediu pra gente ir pro quarto, demorou um pouquinho e ele chegou. 


Ele tava ainda sem acreditar no pedido, eu queria ir primeiro pra mostrar a minha prima como era. Fiquei pelada em cima da cama e dei uma fita pro meu pai. Ele começou com a fita passando no meu grelinho, depois ele via se ela tava saudável usando sua língua. Quando já tava bem babado ele usava seu pau que aquela altura já estava bem duro, minha prima ficou ao lado da cama assistindo tudo, ela não parava de olhar pra pica do meu pai roçando em minha buceta. 


Logo em seguida foi a vez dela e meu pai fez o mesmo na sua xana. Mas enquanto ele chupava o grelinho dela a minha prima ficava se contorcendo mais do que eu. Minha priminha tava tendo seu primeiro orgasmo na boca do meu pai. Em seguida ele roçou sua piroca em seu grelinho e depois de esporrar seu leite nela ele disse que a buceta dela ainda ficaria bem carnuda. 


Mas pra ficar desse jeito ele tinha que fazer aquilo sempre, mas a gente não podia contar pra ninguém. Aquele era nosso segredinho e permanecemos daquele jeito até completarmos 13 anos quando ele parou de medir a gente daquele jeito, acho que ele sentiu medo de alguém descobrir que ele abusava das suas meninas.

contos eróticos incesto
By - Sheillaxv

Comentários