Meu primeiro dia como agente penitenciário

Sou uma mulher de princípios, sempre quis desde criança ser policial. Aos 33 anos acabei me tornando agente penitenciário. Eu estava super empolgada pra começar, estava cheia de ideias inovadoras pra mudar a forma de como o preso via um agente, mas tudo foi um completo desastre. 


No meu primeiro dia eu conheci um preso que estava lendo um livro numa ala de crimes leves. Ele estava sozinho pra exames médicos e quando percebi sua dificuldade pra ler eu me aproximei para descobrir mais sobre ele.  


Aquela era a terceira vez que ele estava sendo preso por roubo, ele disse que tentava mudar, mas não conseguia... ele tinha uma puta lábia de bandido, ele tinha uns 50 anos, mas pela aparência eu já o considerava idoso. Perguntei se ele queria ajuda e ele aceitou. 


Eu sei que deveria fazer isso em um local com pessoas, mas pelo barulho optei por levá-lo pro quarto de visitas íntimas que estava vazia e era silencioso. Eu não podia fazer aquilo, mas como na cadeia só tinha agentes eu convenci alguns que estavam fazendo ronda a liberar o acesso e eu consegui. 


Já na sala e ensinando a ele as sílabas foi quando tudo começou. Ele pediu pra colocar o livro no meu colo porque era melhor pra ele ler, mas aquilo era só uma desculpa pra suas mãos chegarem nas minhas pernas com mais facilidade. 


Eu uma mulher casada e com filhos estava ali sendo bolinada por um preso descarado sem perceber nada. Quando fui me tocar da safadeza que estava acontecendo ele já estava tocando minha buceta por cima da minha roupa. 


Fiquei extasiada quando percebi que não conseguia nem me mover, acho que por isso ele sentiu mais liberdade pra me tocar os seios e tirar minha roupa. Ele me beijava, mas eu não correspondia seus beijos, ele só enfiava sua língua na minha boca tentando algo. Ele beijava meu pescoço, me dava chupões, me marcava...era nojento.


Seu pau pra fora me causou repulsa, mas ele me forçou a chupar, lutei pra não abrir a boca, mas não tive outra escolha. Quando dei por mim ele já estava tirando minha calcinha, até tentei sair dali, mas não deu certo. Ele já estava em cima de mim procurando a entrada da minha buceta com seu pau. 


Me sentia imunda com tudo aquilo. Faltou ar, ele gemia falando que minha buceta era mais gostosa que a buceta da mulher dele. Enquanto comia minha xota ele enfiava seu dedo no meu cu pedindo pra comer ele também, mas eu dizia que não e pelo menos isso ele não fez. 


Tirando seu pau da minha buceta ele se levantou e colocou sua bolas dentro da minha boca dizendo que era louco pra ver uma policial chupando suas bolas. Ele mal conseguia esconder sua cara de prazer e acho que nem queria. Batendo na minha bunda ele me fez ficar de 4 pra receber sua piroca. 


Ele metia devagarinho  se vangloriando daquilo. Não sei porque eu estava excitada com tudo aquilo, mas minha buceta escorria, ele passava o dedo no gozo e me colocava pra chupar. Não demorou muito pra eu sentir sua porra no fundo da minha buceta. 


Quando tudo terminou eu dei graças a deus e me vesti, mas quando cheguei em casa durante o banho eu não aguentei e me masturbei pensando naquele filho da puta presidiário.

contos eróticos a policial
By - Sheillaxv

Comentários